A carregar...

Bolsas de estudos tiram sono aos estudantes

1 1 1 1 1 Como classifica este artigo? 1.50 (1 Voto)

Luanda – O INABE devia-nos quatro meses e só nos pagou dois, neste momento estamos a aguardar os outros dois meses”, disse Simão Lamba, estudante do curso de pesca industrial (Técnicas informáticas de pescado). Segundo António Fernandes, responsável da Embaixada de Angola na Rússia, os mais de 500 estudantes nesta situação vão receber os seus complementos em atraso a partir da próxima semana.

Fonte: O País

António Fernandes reconheceu que há estudantes na Ucrânia que não chegaram a receber o seu complemento de bolsa. Justifica porém este problema com alegados atrasos nas transferências bancárias. “A transferência chegou tarde e os pagamentos desses estudantes estão a ser processados agora pelo banco russo, até à próxima semana terão na conta os seus complementos de bolsas referentes aos mês de Julho e Agosto”, frisou.

Segundo o responsável, os contratos com estes estabelecimentos de ensino variam entre três a seis mil dólares por ano, em função do curso frequentado por cada estudante.

Quanto às modalidades de pagamento das propinas bem como os respectivos títulos de bolsas, António Fernandes explica que “no caso dos bolseiros que dependem do Estado e que estão na Rússia e na Ucrânia num regime de cooperação, não pagamos propinas, pagamos só o seguro de saúde e o respectivo complemento de bolsa. Aos bolseiros integrais pagamos propinas, alojamento e seguro de saúde”.

As modalidades de pagamento dependem de universidade. Algumas exigem pagamento na moeda local e de acordo com o câmbio estabelecido, outras exigem o pagamento em dólares americanos

BOLSEIROS EM LUANDA DESCONTENTES 

Não são só os bolseiros fora do país a reclamar pelos seus direitos. Tatiana Gioreth, estudante do 6º ano do curso de medicina dentária da Universidade Jean Piaget, manifestou ao Semanário Económico o seu descontentamento com os problemas relacionados com a bolsa de estudo. Diz que a mensalidade de 24,4 mil kwanzas que recebe do INABE não é suficiente, tendo em conta que o seu curso custa 33,4 mil kwanzas.

A estudante defende que o INABE antes de disponibilizar as bolsas para os estudantes deveria analisar o tipo de curso a que cada estudante pertence, tendo em conta que os preços dependem do curso.

Tatiana Gioreth acrescenta que existem muitos estudantes que têm as bolsas do tipo A, que abrangem transporte, livros e mensalidade, e que não passam muitas dificuldades, enquanto há estudantes do tipo C que enfrentam muitas dificuldades. Segundo a estudante “as bolsas não são dadas de acordo com as necessidades dos alunos”.

Com bolsa do tipo B, Janeta Zumba, de 23 anos, estudante do curso de economia da Universidade Católica de Angola, recebe as suas mensalidades de dois em dois meses, o que equivale a transferências de 119 mil kwanzas em cada dois meses. A estudante diz haver atrasos nas transferências, mas que são maiores em determinados estabelecimentos de ensino.

Natural do Huambo, António Capadanda, estudante do 5 º ano do curso de Fisioterapia na Universidade de Bellas, está preocupado com o atraso no pagamento da propinas. O estudante afirma que o INABE pagou apenas 26 mil kwanzas, o equivalente a uma mensalidade. “Para o pagamento de dois meses são necessários 48 mil kwanzas e muitos vêem-se obrigados a completar o valor em falta”, explica.

Segundo o estudante, o INABE depositou o valor correspondente ao mês de Julho e a universidade exige o pagamento de dois meses. Para ultrapassar esta situação, os estudantes pretendem o mais depressa possível contactar o INABE. “A universidade aceitou o talão aos primeiros alunos, mas não aos que entregaram depois, respondendo que só recebia com o pagamento de dois meses”, lamentou o estudante.

Também Nelson Alemão, estudante do curso de Direito, afirma que a maior preocupação é que o INABE não deposita os valores das propinas a tempo e alguns complementos de bolsas não chegam para as propinas. E dá exemplos. Os bolseiros do curso de Engenharia e Petróleo têm a pagar propinas mais elevadas, mas o complemento de bolsas não chega para cobrir as despesas – é necessário acrescentar cerca de 11 mil kwanzas, dependendo do tipo de bolsas, o que tem criado muitos transtornos aos estudantes.

O bolseiro afirma que já foi feita uma reclamação e houve um reajuste, pois a instituição alega que é aquele o valor da bolsa que está no contrato. Os estudantes que possuem uma bolsa do tipo D, recebem 24 mil kwanzas e o estudante é obrigado aumentar mil kwanzas.
Já os estudantes do curso de Saúde pagam 35 mil, tendo por vezes que acrescentar 11 mil kwanzas para completar o valor .

Como muitos outros estudantes bolseiros, Alcina Diogo deixou a sua terra natal no Kwanza Sul no com objectivo de finalizar o ensino superior. Aos 25 anos de idade, finalista do curso de fisioterapia, encontra-se confrontada com o atraso no pagamento das bolsas.

Estudante do tipo de bolsa D, diz que o INABE depositou 23 mil kwanzas e afirma que este valor corresponde a dois meses. Alcina Diogo tem recebido 38 mil kwanzas e diz que já tentou esclarecer esta diferença de valores, porém sem sucesso, tendo os pais sido forçados a completar o valor que faltava. E decidiu por esta razão juntar-se ao um grupo de estudantes que pede uma explicação ao INABE. “Uma pessoa isolada não consegue resolver este tipo de problemas e é necessário juntar mais estudantes para nos darem alguma atenção”, sublinha.

SEIS MIL BOLSAS DE ESTUDO INTERNAS 

O INABE disponibilizou, para este ano, seis mil bolsas de estudo internas, que foram distribuídas pelas 18 províncias. De acordo com o director do INABE, Jesus Baptista, as prioridades vão para os cursos de Ciências e Engenharia com 1500 vagas, Tecnologia com 1200, Ciências Sociais com 900, Letras com 300 e Humanidades com 600.

O INABE criou um site (www.inabe.gov.ao) no qual os candidatos poderão fazer as suas inscrições. Em consequência do fraco aproveitamento de alguns dos bolseiros, no passado mês de Março e Abril decorreu em Luanda um processo de renovação de bolsas internas, na qual as instituições do ensino superior que tenham bolseiros informarão o INABE da situação académica dos estudantes. Os beneficiários em regime de protecção especial (antigos combatentes e familiares e deficientes de guerra e os seus descendentes) deverão apresentar o documento que confirme a sua condição social.






Debate o tópico nas redes sociais:





Debate no Club-K:


NOTA: Os comentários postados neste portal são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Por favor, leia os Termos de Uso. O Club-K reserva-se ao direito de moderar os comentários suspeitos de conter palavras ofensivas e apagar os que não cumpram as regras.



Comentários Arquivados:



Actualizar comentários 

0 clarice x 03-07-2013 21:38 #12
Gostaria de saber quando e que o Inabe pensa em pagar as mensalidades dos estudantes, pois ja estamos no 7 mes e nada, pelomenos que dei alguma explicacao, isso ja me cheira a golpe.
0 Bombó 24-06-2013 13:02 #11
Já se passaram quatro meses e o INABE até agora não publicou o resultado dos alunos que se inscreveram, demoam muito tempo para selecionarem os seus familiares, amigos e até mesmo aqueles que compram as bolsas prejudicando as pessoas mais necessitadas. Pelo que pude ver é que só deram mais opurtunidade o ano pasado por causa das eleições mas agora que tudo ja acabou somos abandalhados que nem cães. Não basta termos poucas universidades no país e lutarmos para entrar na faculdade, tambem temos que lutar para nos mantermos nela? Eu queria que olhassem mais pelos estudantes...
0 Desiderio Tulumba 26-04-2013 10:46 #10
qual é o problema cara direcção eu não consigo fazer a inscrição já À 7 dias o que posso fazer mas digo-vos que já entreguei todos os documentos
0 fuba 22-04-2013 13:13 #9
só quero dizer k actualmente desejamos nos candidatar para a bolsa mas n xta a dar porque eles bloquearam o site segundo as informações k nos dão qdo tentamos acessar ao mesmo. pork si comportam desta forma? disponibilizam algo e dps n permitem a candidatura? falo apartir da Lunda sul
+1 kelson 09-10-2012 17:48 #8
Oi meus caros irmaos conheco muito bem o que significa INABE e Jesus baptista.e arrogante que pensa que o inabe e do pai dele,o proprio nosso governo nao e serio desde quando e que o inabe vem fazer sofrer os nossos irmaos,os nossos filhos amigos e parente?eu ja tive a santa sorte de ser bolseiro do inabe,a sra Teixeira Pessela e o seu homolgo Beto Massango nao sabem o que dizem e preciso viver a realidade na pele e nao e porque devemos agradecer o executivo e dever deles ou voces querem sempre governar matumbos como ja estao habituados! a dominar.Vamos deixar de hipocresia e sentar na razao e exegir aquem de direito e vamos chamar a coisa pelo seu nome.
+1 m 09-10-2012 11:50 #7
mas temos jentes com carros custando milhos de dolares.. estes jovem se partirem para violença as veses e frustaçao, mas eu peso meus ermao nos somos pasificos quanto mas e o sofrimento melhor e o beneficios emquanto podem estudao so
+1 lobito 08-10-2012 22:31 #6
Dona Teixeira estas a falar muito e atoa atraso das propinas durante 20 dias pergunta no teu filho aqui ninguém tem emprego como vamos conseguir nos alimentar?
A tia tem mandado uns extras pra ele se tiver a sobrar manda tbm pra mim.Obrigado
0 zakalione 08-10-2012 21:17 #5
foje! este cenario e antigo ja noutro hora era o mesmo esse governo nao tem mesmo como evoluir para o melhor
+2 Anónimo 08-10-2012 16:09 #4
Caríssimos compatriotas!
É com muita satisfação que escrevo para solidarizar-me convosco,venho dizer que na qualidade de ex-estudante no estrangeiro e na mesma condição que a vossa reprovo categoricamente as condições em que são dados os subsídios e outros.
Outrossim já era sem tempo de o INÁBE renovar o seu efectivo com vista a poderem propor planos mais sérios de atribuição e gestão dos bolseiros, não basta-nos dizer que " o programa de bolsas de estudos tem ajudado muitas pessoas" pois recordemo-nos que o INÁBE é uma instituição pública cujo dever é servir o povo e não aproveitar-se do povo para benefícios próprio como já tive a oportunidade de aperceber-me...
Assim sendo, venho propor aos dirigentes do INÁBE em consonancia com o mais alto mandatário do executivo de criar o seguinte:
1- criar planos com base na realidade dos factos isto é fazer o levantamento das necessidades academicas destes bolseiros dentro e fora do país.
2- apesar do incentivo a competitividade com base na competência, é preciso capitalizarmos os recursos financeiros empregues na formação destes bolseiros afim de contribuirem para reconstrução e desenvolvimento deste pais, que não para de trazer para cá mão de obra estrangeira até para reparar um ar-condicionado...
3- todos os angolanos com capacidade intelectual podem gerir o INABE mas nem todos devem por falta de princípios,valo res, amor ao próximo e a pátria assim como muitos que aí passam, que não passam de autênticos mentirosos,para estes casos proponho pessoas sérias...
0 londrino 08-10-2012 15:43 #3
as bolsas de estudo da INABE so tiram sono aos estudantes pobres quantos aos filhos e filhas da elite do MPLA nada zero tudo numa boa afinal o pai tem dinheiro que chega pra isso,loucura este nosso pais esta demais.
leftCLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

O CLUB-K.net foi fundado aos 7 de Novembro de 2000, e é integrado por jovens angolanos (voluntários), com missão representativa em diversos países e reconhecido a nível internacional como uma organização não governamental.

NEWSLETTER

Assine a nossa Newsletter para receber novidades na sua caixa de e-mail. "Gosta" da nossa página no Facebook para receber novidades na parede do seu perfil no Facebook.

INSERE O SEU E-MAIL