A carregar...

Artigos

Empreendedorismo tem papel crucial no desenvolvimento sustentável do país - Vice-PR

1 1 1 1 1 Como classifica este artigo? 0.00 (0 Votos)

Luanda - O vice-presidente da República, Manuel Vicente, declarou nesta sexta-feira, em Luanda, que o empreendedorismo em Angola tem papel crucial no desenvolvimento sustentável do país, incentivando a mudanças na forma de fazer negócios por via do fomento de inovação, competitividade e melhoria da produtividade das empresas.

Fonte: Angop
 
Manuel Vicente discursava na abertura do 1º Fórum Nacional de Jovens Empreendedores, que visa, entre outros, debater a importância de empreendedores na construção de uma sociedade economicamente consistente e auto-sustentada.
 
Afirmou que o Executivo colocou no topo das suas prioridades a necessidade de uma estruturada formação de quadros, que contribuam para o desenvolvimento sustentado de Angola, de modo que o empreendedor angolano possa acompanhar, a par e passo, as exigências de um mundo com sistemas produtivos cada vez mais complexos, bem como a sofisticação do mercado financeiro.
 
Apelou a dedicação dos jovens para participarem no Programa Nacional de Formação de Quadros, de modo a explorarem as possibilidades que se possam oferecer no domínio das empresas vocacionadas para a formação técnica e profissional.
 
Lembrou que o Executivo, com a criação do programa “Angola 25”, da qual resultou a aprovação da Lei das Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME), lançou a plataforma para o crescimento dinâmico do sector empresarial privado.
 
Referiu-se a um conjunto de acções que visam operacionalizar a Lei das MPME, provendo financiamento, facilitar a concessão de apoios, a desburocratização dos processos de regulamentação e requisitos de licenciamento, incentivando a geração de novos negócios.
 
O governante sublinhou que apesar dos esforços do Executivo, a economia angolana continua fortemente dependente do exterior por incapacidade de o sector produtivo satisfazer cabalmente as necessidades do consumo interno.
 
Salientou que em 2011 foi registada uma despesa de importação cifrada em 17 mil milhões de dólares (cerca de 1.700 mil milhões de Kwanzas) em produtos manufacturados, máquinas, material e equipamento de construção, automóveis, alimentos, entre outros.
 
Tendo em conta este quadro, o vice-presidente da República apelou aos empreendedores nacionais que contemplem, de forma proactiva, o seu meio circundante, para identificação de oportunidade de negócios e tirem proveito de todos os programas implementados pelo Estado.
 
Entre os programas apontou o “Balcão Único do Empreendedor”, “Angola Invest”, “Fundo de Risco” e o “Crédito Agrícola de Campanha”. “São muitos os negócios que se podem realizar quer na área do comércio, quer na indústria, quer na construção civil, mormente actividades de manutenção e conservação de estradas, construção de habitação social, com recurso a meios locais, inclusive”, alertou.
 
Referiu-se também a negócios de fácil constituição, mas com retornos financeiros atraente, bem com a promoção de programas de escoamento de produtos agro-pecuários, no quadro da projecção do agro-negócio nacional, associado ao relançamento dos caminhos-de-ferro e outras vias de comunicação.
 
Manuel Vicente disse que esta natureza de negócio dinamizará a economia nacional, permitindo a angariação de receitas para os produtores rurais, resultando na melhoria das condições de vida das regiões produtoras, no aumento da produção industrial de equipamentos, fertilizantes e pesticidas, na maior distribuição da produção local, na diminuição das importações de alimentos, criação de empregos directos e indirectos, bem como no apoio ao combate à fome e a pobreza.

 
Augurou que negócios estruturantes sejam desenvolvidos nas 618 comunas do país, com base na extensa diversidade de necessidades dos mais variados pontos geográficos, e que surjam iniciativas locais, com base nos recursos e realidades específicas, promovendo também uma maior e mais efectiva integração do sector informal na economia formal.

 
Informou que o executivo tem criados programas coerentes e sustentáveis para facilitar a vida profissional do empreendedor angolano e espera o reforço do papel interventivo do empresário nacional, o aumento da produção e a melhoria da distribuição da riqueza nacional.
 

Afirmou ainda que a realização deste Fórum de Jovens Empreendedores, reunindo participantes das todas as províncias, transmite o desejo comum de crescimento económico e social, provando que “há complementaridade entre o Executivo e a classe empresarial, e que a parceria entre ambos é indispensável, para que Angola cresça de forma harmoniosa e sustentável”.

 
Encorajou as mulheres angolanas, dentro do seu meio e capacidades, a promoverem projectos empresariais que contribuam para a melhoria da sua vida e dos seus familiares.

 
O Fórum tem um painel sobre “políticas e estratégia de fomento e desenvolvimento do empreendedorismo” e outro sobre “plano de implementação de programas de fomento e suporte aos empreendedores”.
 

Foram convidados oradores como os ministros da Economia, Abraão Gourgel, da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Afonso Pedro Canga, das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José de Carvalho, e o presidente do Conselho de Administração do Banco de Desenvolvimento de Angola, Paixão Franco.






Debate o tópico nas redes sociais:





Debate no Club-K:


NOTA: Os comentários postados neste portal são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Por favor, leia os Termos de Uso. O Club-K reserva-se ao direito de moderar os comentários suspeitos de conter palavras ofensivas e apagar os que não cumpram as regras.



Comentários Arquivados:



Actualizar comentários 

0 Ivo Nhany 21-05-2013 11:59 #7
É de louvar a grande iniciativa do executivo neste nosso mundo tão competitivo, onde o sector que mais contribuir não só nas receitas do Estado para satisfazer as suas necessidades financeiras, como também propicia a abertura e alargamento de micros, pequenas e médias empresas e o consequente fomento do mercado de trabalho através de empregos que daí advem, isto tudo, fruto das políticas de crescimento e desenvolvimento sustentáveis baseados na mola impulsionadora que é o empreendedorism o, com vista ao alcance da diversificação da economia no longo prazo e da reduzida dependência dos petróleos e diamantes.
Vale reforçar que este esforço deve cingir-se, especialmente no sector agropecuário de modos ao alcance da agricultura de subsistência, para que no médio e longo prazo se alcance a desejada agricultura alimentar sustentável para o abastecimento no mercado interno, e o excedente por essa via servir para a exportação em detrimento das importações.
0 A voz do povo 16-02-2013 17:14 #6
Isto é uma vergonha infelizmente os próprios verdadeiros empreendedores num
+1 Remitente 10-02-2013 17:03 #5
ja chega gatunos de merda, mesmo a roubar ainda querem atrapalhar o povo.. JES isto da vergonha voc e todos governantes do MPLA sao gatunos. a riquesa do pais e do povo.
0 londrino 09-02-2013 15:58 #4
mais qual empreendedorism o que este gatuno e criminoso esta a falar so pode ser da roubalheira nos confres de estado ja que ele agora esta em segundo lugar depois do seu primo"JES",louc ura.
+2 Nito Alves 09-02-2013 00:52 #3
Manuel Vicente sendo uma pessoa corrupta nao tem moral para dar licoes a sociedade angolana
+4 Fantasma de Nito Alv 08-02-2013 22:28 #2
Tu só pensas em roubar, isso é empreendedorismos??

Roubaste a Sonangol e continuas a roubar como ministro, queres morrer engasgado com dinheiro??
+2 anastacio 08-02-2013 20:28 #1
Empreendorismo e roubar o banco e aparecerrm Como empresario.perg uta a Isabel DOS Santos pergua a tchize egino carneiro e o o aluno dedicafo do mobutismo sua excelecia ladrao Eduardo Santos.
leftCLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

O CLUB-K.net foi fundado aos 7 de Novembro de 2000, e é integrado por jovens angolanos (voluntários), com missão representativa em diversos países e reconhecido a nível internacional como uma organização não governamental.

NEWSLETTER

Assine a nossa Newsletter para receber novidades na sua caixa de e-mail. "Gosta" da nossa página no Facebook para receber novidades na parede do seu perfil no Facebook.

INSERE O SEU E-MAIL