Lisboa - Tchizé dos Santos abandonou a presidência do Benfica de Luanda, tendo decidido a não voltar a candidatar-se para nos próximos quatros anos, para algum cargo de direção. Para sua sucessão, a mesma apostou em Joaquim Sebastião, ex-director do Instituto Nacional de Estrada de Angola (INEA), em detrimento do aspirante a candidato, Luís Neves, vice-presidente para a administração e finanças do clube.

Fonte: Club-k.net

A aposta de Tchizé dos Santos em Joaquim Sebastião como seu sucessor deveu-se ao facto de o clube se encontrar num quadro financeiro crítico em que a mesma era obrigada a desembolsar do seu próprio património pessoal. Joaquim Sebastião, o novo líder, é um arquitecto dedicado ao ramo empresarial que fora apresentado a Tchizé por um amigo em comum identificado por “Bala” Correia.

No passado dia 31 de Janeiro, foi realizado uma assembleia geral do clube em que ficou decidido a indicação formal de Joaquim Sebastião, na liderança do Benfica. Da antiga direcção, permaneceu o presidente da mesa da assembleia geral, Generoso de Almeida, e o vice-presidente do conselho fiscal, André Lopes.

Previa-se anteriormente que ao deixar a presidência de direcção, Tchizé dos Santos passaria assumir a mesa da assembleia geral, o que não se concretizou, por alegadas “razões profissionais” que lhe são atribuídas.

O  futebol é a modalidade de eleição do Sport Luanda e Benfica. O clube tem nas suas fileiras o ciclismo, hóquei em patins. Sabe-se que o andebol está na fase embrionária. A direcção do clube prevê igualmente criar as condições para a abertura do departamento de formação de talentos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: