Lisboa – O actual chefe da Direcção de Operações do Estado Maior do Exercito, Tenente- general Simão Carlitos Wala é acusado de ter agredido um funcionário da repartição das Alfândegas, no aeroporto 4 de Fevereiro de Luanda, ao rejeitar que as suas malas passassem pela revista.

Fonte: Club-k.net

Rejeitou que as suas malas passassem pela revista

O incidente aconteceu na passada quinta-feira, quando este general, desembarcou num vôo proveniente de paris, trazendo consigo volumes de malas.   Diante da exigência dos trabalhadores do aeroporto, para que cumprisse com o regulamento da revista, aquele oficial militar terá incorrido a uma alteração áspera fora do habitual acabando por cair por cima de um funcionário, identificado por “Leonel”.

Ao mesmo tempo provocou confusão naquele aeroporto protagonizada pelos seus guardas.  Transportados em quatro viaturas, estes cercaram a área de desembarque enquanto outros entraram para tentaram assaltar a força, a mala do general para que não passasse pela revista.

Durante ao alvoroça, uma testemunha que aparentemente reprovou o comportamento do general fez lembrar que “a guerra acabou, agora os generais sem perspectivas viram moambeiros e não aceitam que a muamba passe pelo raios-X, o que traz ele para reagir com agressões?”

De lembrar que o tenente general Wala, foi notabilizado por ter sido o comandante que acompanhou no Moxico, o grupo de comandos das FAA que executaram Jonas Malheiros Savimbi, a 22 de fevereiro de 2002.   Anos depois foi mandado para uma academia militar na Rússia. Ao regressar ao país, esteve em Cabinda e agora em Luanda, na direção das operações.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: