A carregar...
Registo de Dominios Angolanos - .AO, .CO.AO, .ED.AO, .GV.AO, .OG.AO e .PB.AO

Reacção de um sobrevivente à declaração do BP do MPLA sobre o 27 de maio de 1977

1 1 1 1 1 Como classifica este artigo? 3.50 (5 Votos)

Luanda  - Tomei conhecimento da declaração do Bureau Político do MPLA sobre o 27 de Maio, apenas quando procedia ao lançamento da minha mais recente e modesta obra – A CHAGA − no Anfiteatro da Liga Africana, evento que não contou com a presença dos órgãos de difusão massiva públicos e privados controlados pelos detentores do poder no meu país, porque tais órgãos foram orientados a lá não comparecer, fundamentalmente a Televisão Pública de Angola e a TV Zimbo, mesmo depois de previamente solicitados em nota de imprensa, tendo apenas coberto o acto o Repórter da Rádio Eclesia. No entanto os mesmos órgãos de difusão massiva do Governo do MPLA, não se fartam de repetir até a exaustão, que em Angola há liberdade de expressão e de comunicação e que a censura há muito deixou de existir por força do Estado de Democrática de Direito instituído desde 1992 e agora reforçado com a entrada em vigor da nova Constituição (atípica) em 2010. Engane-se quem quizer.


Depois de lida a referida declaração, muito sinceramente fiquei mais uma vez completamente estarrecido, porque confesso, que desta vez não estava a espera de uma declaração vinda de uma organização como é o MPLA, organização onde militei durante 38 anos, e por não me rever na forma como o partido estava a ser conduzido, estatutariamente renunciei a minha militância em 29 de Maio de 2012, mas ainda assim, continuo acreditar que esta organização pauta a sua conduta na humildade e, por isso, evolui no tempo. Enganei-me redondamente, porque confrontei-me com uma declaração completamente vazia de conteúdo e cheia de ambiguidades. E é sobre essas ambiguidades que sou forçado a reagir.


Diz a tal declaração, logo no primeiro parágrafo, “haver um aproveitamento político com os acontecimentos do dia 27 de Maio de 1977 até por parte de pessoas que não estiveram ligadas a tais acontecimentos”. O que se quer dizer com a expressão “aproveitamento”?


Fazer uma declaração como a que fez o Bloco Democrático, um partido político legalmente constituído, organizar uma manifestação ou vigília pacífica em memória dos que foram barbaramente assassinados neste dia e nos subsequentes, publicar um livro versando assuntos relacionados com os trágicos acontecimentos de 27 de Maio considera-se isso aproveitamento?

Sinceramente, não consigo compreender como é que a direcção do MPLA ainda não se convenceu que a questão do 27 de Maio pela sua gravidade e magnitude, quer se queira quer não, é hoje uma questão transversal, que diz respeito não apenas ao próprio MPLA enquanto instituição responsável pela tragédia que agora ousa minimizar, mas sim a todos angolanos, quer sejam elas pessoas singulares ou colectivas, assiste-lhes legitimidade para com a suas ideias contribuírem para a solução deste bicudo problema criado por um punhado de dirigentes perfeitamente identificáveis, cuja responsabilidade cimeira recai, sem sombra de duvida, ao MPLA e, em última instância ao Estado angolano. Por isso, não pode agora o MPLA vir com este argumento falacioso de “aproveitamento”.

Diz também a mesma declaração que “com tal atitude se exacerbam tais factos que estimulam o ódio e fomentam a divisão entre os angolanos”. Outra vez a mesma astúcia de sempre, esta mesma que antes tinha sido usada tendo como bandeira a palavra “FRACCIONISMO” para depois legitimar o massacre. Quem, afinal, exacerba ódio e fomenta a divisão?

Aquele que minimiza um acontecimento tão grave como é a tragédia de 27 de Maio de 1977, e que pensa que um acontecimento desta gravidade e envergadura se resolve com uma simples declaração difundida até a exaustão pelos órgãos de difusão massiva que absolutamente controla sem um pingo de pudor; que reprime jovens manifestantes, sendo dois deles desaparecidos até hoje, sem que as famílias saibam onde os mesmos se encontram; quem tem a responsabilidade de proteger a vida humana cuja garantia está consagrada na constituição maioritariamente por si sufragada e nada faz para que os responsáveis pelo desaparecimento de tais vítimas sejam responsabilizados, ou os que se manifestam pacificamente ao abrigo da lei e são reprimidos, os que apelam constantemente ao diálogo por meio de cartas e livros ou declarações? Haja pelo menos um pouco de rigor, caros senhores!

Para justificar a matança de milhares e milhares de angolanos cujo número certo eu desconheço, o MPLA, diz ainda na referida declaração, como sempre, “que houve excesso de zelo por parte dos seus principais agentes”. Mais outra ambiguidade e até falta de rigor, mesmo com a quantidade industrial de jovens “pensantes” que possui.

Salvo opinião diferente dos experts do MPLA, entendo que a palavra “excesso”, significa aquilo que excede, ou seja, o que está para além do que é devido, o que, portanto, está a mais. Ora, se essa asserção for verdadeira, então, aqui a palavra excesso na visão dos dirigentes do MPLA que aplaudiram e parece que ainda continuam a aplaudir o que se fez nos acontecimentos do dia 27 de Maio de 1977, é tão-somente isto:

Foi perfeitamente normal terem sido mortas pessoas (cujo o número não interessa determinar) das mais variadas maneiras e com todo o requinte de crueldade que, eu Michel, presenciei ali no Campo da Calunda no Moxico, sem qualquer espécie de julgamento, só que o número é que foi exagerado, ou seja, deviam sim senhor matar os fraccionistas, só que matou-se um pouco a mais, dai os excessos. Francamente! Um partido que diz defender a vida humana, a liberdade, a justiça.

Não vou comentar o resto que a referida declaração contém, cabendo a opinião pública, fundamentalmente os que têm ainda um pouco de dignidade, e que certamente ainda existe na nossa terra muita gente, apesar de hoje a dignidade ter sido atirada para a sarjeta por causa dos cargos que permitem (argumentam) o “pão das crianças.” Mas é só mesmo o pão das crianças?

Se em Portugal onde os milionários deste país estão a investir rios de dinheiro que conseguiram não sei como, está sob resgate, então, meus senhores, me desculpem. Porque, se para um assunto tão grave como é o do 27 de Maio, quem dirige o Estado que em princípio deve ser uma pessoa séria e, acima de tudo, sensível, minimiza a questão a pontos de pensar que um problema desta magnitude se resolve com uma simples declaração, desprezando e se opondo a qualquer tipo de iniciativa que vise solucionar a questão duradouramente, parece que em Angola estamos a beira do resgate da Troika europeia. Não por défice financeiro, porque até temos cumbú a mais, a pontos de estarmos a enterra-lo na Mukueba a môko môko (como dizem os kiokos) e estes aplaudem, mesmo com a miséria a dar nos ossos da maioria dos descamisados, mas por défice de sensibilidade e democraticidade de quem nos governa. Haja coração!

Luanda 29 de Maio de 1977

Miguel Francisco “Michel”

Sobrevivente da Tragédia de 27 de Maio






Debate o tópico nas redes sociais:





Debate no Club-K:


NOTA: Os comentários postados neste portal são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Por favor, leia os Termos de Uso. O Club-K reserva-se ao direito de moderar os comentários suspeitos de conter palavras ofensivas e apagar os que não cumpram as regras.



Comentários Arquivados:



Actualizar comentários 

0 Asassinio Ds POLICE 04-06-2013 21:25 #10
O troco sera dado, assim sera feito tambem com os filho do JES, ele PROPRIO e DAMA DELE. Veremos como ficarao os seus seguidores. ASSIM farao melhores declaracoes nas suas TV. Isto e se ainda tiverem no poder. PORQUE!...
0 Tiburón 04-06-2013 17:49 #9
Qual Sofia Rosa? Se mentir é assim,então precisas melhorar! Toda gente sabe Quem foi o carrasco daquele grande cantor. Foi Savimbi,o motivo foi o facto do cantor preferir cantar em kimbundo,Savimb i queria que cantasse em umbundu. A origem da violência do vosso partido unita,é o tribalismo. Não se aproveitem do 27 de Maio para enaltecer a unita. As vítimas daquele dia,não são kwachas.
0 NEFE YOVE 04-06-2013 11:51 #8
MATARAM OS ANGOLANOS DA TERRA POR QUE ESTES ESTAVAM PREPARADOS ACADEMICAMENTE PARA DIRIGIREM ESTE PAIS. EM NOME DO FRACCIONISMO OS ESTRANGEIRO FIZERAM MASSACRE DE UM POVO INOCENTE. UM DIA HAVERA JUSTICA.
+1 ze-zero 04-06-2013 11:29 #7
Por causa deste acontecimento pude conhecer as masmorras da D.I.S.A. maldito seja o MPLA. Perdi grandes amigos: Urbano de Castro, David Zé, Sofia Rosa, e muitos mais. Bem se vê hoje que o MPLA só sabe assassinar. Mais 12 anos Angola fará MEIO-SÉCULO de independencia e o que se vê nao é outra coisa que corrupçao e roubalheira à altas instancias. Os filhos do JES vao estudar en universidades de prestigio e voltam transformados em vendedores de ovos, abrem bancos para desviar o dinheiro roubado ao povo. A multinacional JES & FAMILY DITACTORIAL COPORATION deveria participar no DOW JONES
0 Comandante Kapapela 04-06-2013 10:59 #6
Excesso e favor...foi mais que excesso...nem os ditos fraccionistas deviam matar..deviam ter sido julgados, com direito a defesa legal...pelo direito internacional.
Estou surpreso com o Silencio da Fundação 27 de Maio do Jose Fragoso e do Silva Mateus, a que se deve o silencio?
0 Makubanza 04-06-2013 09:24 #5
penso que todos os sobreviventes deste nefausto dia contassem para este Pais o que realmente aconteceu,falar do suposto golpe que Agostinho Neto inventou para se livrar de Nito Alves, publicar os nomes dos assassinos e os assassinados,se i que entre os assassinos constam os nomes Manuel Rui Monteiro, Manuel de Carvalho Wadijimbi, Miguel etc, angolanos o termo democracia no MPLA não existe e nunca existiu, os angolanos tentaram exercitar a democracia em 1977 e vejam o que aconteceu. as sequelas de 1977
+1 CHICAS 04-06-2013 00:34 #4
-ESSE DIA HA-DE CHEGAR ,,,E QUANDO CHEGAR QUERO RESPOSTAS,,,,,, NEM QUE FOR A BOFETADA O MPLA VAI TER QUE ME DIZER,,,,,,QUEM MATOU DAVID ZE,,,,,,,,,,,,, ,O ARTUR NUNES,,,,,,,,,U RBANO DE CASTRO,,,,,,,,E TODOS OS OUTROS MUSICOS DOS ANOS 60S,,,,,,,,,AI DELES SE NAO RESPONDEREM,,,, ,,ELES MATARAM UMA PARTE DE MIM,,,,,,
0 MAIOMONA 03-06-2013 23:03 #3
MEUS IRMÃOS:
PARA ANALIZAREM ESTA QUESTÃO DO 27 DE MAIO DE 1977, PODEM QUERER MEUS IRMÕAS TARDE OU SEDO OS AUTORES DESTA CHASINA SERÃO CHAMADAOS PARA RESPONDER. VEJAMOS O EXEMPLO DO QUE ESTÁ ACONTECER NO bRASIL, FOI CRIADO A COMISSÃO DA VERDADE QUE VISA AVERIGUAR OS CRIMES COMETIDO POR POLÍTICO NA EPÓCA DA DITADURA MILITAR PELOS GENERAIS, CORONEIS, CAPITÃS, SARGENTOS ETC.
HOJE MUITOS DELES JÁ VELHO SEM COM 80 ANOS ENTRE CORONEIS NA REFORMA RESPONDEM NOS TRIBUNAIS POR CRIME DE TURTURA, HOMICIDIO, VIOLAÇÃO.
0 mweke 03-06-2013 16:04 #2
o que se passa em angola, p cidadaoshonesto s do 27 de maio de 1977, que nao afactou so os do mpla que queriam liberdade interna no partido, o mpla no sul ao que usou a chassina dos intelectuais como na sua sede contra o sul. Continua hoje depois de 02 genocidios em 1992 contra os sulanos e militantes da unita, e bakongos, hj esta-se num genocidio silencioso + perigoso lavado adorme termos "paz, democracia e reconcilacao"os sulanos lidos e bacongos vao passar mal.
+1 londrino 03-06-2013 14:27 #1
o MPLA foge o 27 de Maio de 1977 como o diabo foge a cruz, pelo facto de varios desses assassinios estarem bem escondidos dentro do proprio MPLA.
leftCLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

O CLUB-K.net foi fundado aos 7 de Novembro de 2000, e é integrado por jovens angolanos (voluntários), com missão representativa em diversos países e reconhecido a nível internacional como uma organização não governamental.

REDES SOCIAIS

NEWSLETTER

Assine a nossa Newsletter para receber novidades na sua caixa de e-mail. "Gosta" da nossa página no Facebook para receber novidades na parede do seu perfil no Facebook.

INSERE O SEU E-MAIL