Amnistia quer mais proteção para ativistas em Angola e Moçambique

Luanda - A Amnistia Internacional lançou uma campanha para pôr fim à ofensiva em curso contra os defensores dos direitos humanos em todo o mundo. Angola e Moçambique também fazem parte das ações que a ONG vai levar a cabo.


Fonte: DW

A Amnistia Internacional (AI) iniciou esta terça-feira (16.05) uma campanha global cujo objetivo é pôr fim à ofensiva atualmente em curso contra os defensores dos direitos humanos. A campanha "BRAVE", com duração de dois anos, visa fazer pressão, entre outros meios, junto de governos e decisores políticos para que estes tenham uma voz mais ativa na proteção dos ativistas.


Angola e Moçambique são dois dos países lusófonos que continuarão a merecer a atenção da representação portuguesa da organização não-governamental. Cabe à representação em Portugal da AI desenvolver uma frente de pressão na África lusófona, por causa da relação que tem com todos os países de língua portuguesa.


"O que nós vamos fazer é manter, por um lado, uma campanha de pressão pública, de mobilização pública, para continuaramos o trabalho de alerta para a sociedade civil sobre aquilo que vai acontecendo em Angola e Moçambique", explica Pedro Neto, diretor executivo da Amnistia Internacional Portugal.

Atentos às eleições em Angola


Em Angola, onde haverá eleições em 23 de agosto deste ano, a atenção da AI será redobrada, para que "toda a gente em Angola possa ter voz e não tenha medo de se expressar", adianta Pedro Neto.


"Têm vindo a acontecer algumas manifestações que são continuamente reprimidas", sublinha o responsável da Amnistia, lembrando que a história não é nova.

"Já tivemos esse problema com os 17 ativistas que foram presos e que um ano depois foram libertados. Alguns desses ativistas, nomeadamente Luaty Beirão, foram agredidos pela polícia e por forças do Governo em manifestações que fizeram depois dessa data e já este ano".

O âmbito desta campanha é que as pessoas possam falar seja o que for", desde que não desrespeitem os direitos humanos, "o que não está a acontecer em Angola", onde continuam a registar-se novas prisões, lembra ainda Neto.


Quanto a Moçambique, o diretor executivo da AI em Portugal chama a atenção para os problemas e clivagens políticas, que se têm agravado ainda mais com a instabilidade económica.

Por isso, a ONG pretende trabalhar e envolver as pessoas, tanto em Angola como em Moçambique, para que estes países "possam cada vez mais dar espaço às pessoas que defendem os direitos humanos e que trabalham por causas nobres", explica Pedro Neto.

Em Portugal, a pressão tem como figuras centrais líderes políticos como o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, que serão interpelados através de um manifesto, para que exerçam influência "junto dos seus pares de outros países, para que eles cumpram também com os direitos humanos", explica

Aumento significativo de mortes

Num documento hoje divulgado, a organização não-governamental de defesa dos direitos humanos indicou que em 2016 foram mortas 281 pessoas "por terem a coragem de se insurgir contra a injustiça", um aumento substancial em relação às 156 mortes registadas em 2015.


De acordo com a Amnistia Internacional, líderes comunitários, advogados, jornalistas e outros defensores dos direitos humanos por todo o mundo têm sido alvo de níveis sem precedentes de perseguição, intimidação e violência.

Pedro Neto exorta os governos e forças políticas a considerarem os direitos humanos como "uma prioridade para que o mundo possa ser melhor", garantindo esse bem estar aos seus cidadãos.

 







Debate este tópico nas redes sociais:

Comente com o seu perfil no Facebook







Debate este tópico no Club-K:

Comente no Anónimato (sem iniciar sessão) ou via Redes Sociais (Facebook, Twitter, Google ou Disqus)!

Quem Somos

CLUB-K ANGOLA

CLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

Informamos o público sobre as notícias e informações ausentes nos canais informativos estatal.  Proporcionamos ao público uma maneira de expressar publicamente as suas opiniões sobre questões que afectam o dia-a-dia, qualidade de vida, liberdades e justiças sociais em Angola... Leia mais

Contactos

 

  • E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • WhatsApp: (+244) 918 512 433 Para uso no aplicativo WhatsApp apenas!

  • Reino Unido : (+44) 784 848 9436

  • Buffalo / EUA: (+1) 347 349 9101 

  • New York /USA: (+1) 315 636 5328

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber novidades diárias na sua caixa de e-mail.

INSERE O SEU E-MAIL

Infográficos