Luanda - A consultora BMI Research considera que os bancos angolanos vão recuperar da crise em 2018, mas o clima de baixo crescimento económico e constrangimentos de liquidez vai manter-se, expondo a vulnerabilidade da banca ao setor petrolífero.

Fonte: Lusa

"Os bancos comerciais em Angola vão continuar em dificuldades devido ao clima de baixo crescimento económico e constrangimentos de liquidez, mas o aumento da produção de petróleo e a reestruturação de alguns bancos estatais vão possibilitar alguma recuperação em 2018", diz esta consultora britânica.

 

Numa nota sobre o setor bancário em Angola, enviada hoje aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas dizem que, apesar disso, "o setor permanece vulnerável dada a grande dependência da indústria petrolífera em fase descendente".

 

As dificuldades da banca em Angola manifestam-se "na forma de pouca procura de crédito, fraca qualidade dos ativos e uma falta de liquidez de dólares nos próximos trimestres", acrescentam os analistas.


A forte exposição ao setor da indústria petrolífera, que desde 2014 enfrenta uma crise devido à descida dos preços, levou os bancos a "pedirem um resgate financeiro ao Estado para injetar liquidez no sistema financeiro".

 

A agência de notação financeira Fitch alertou em março para uma falta de liquidez em vários bancos angolanos, incluindo o estatal Banco de Poupança e Crédito.

 

A BMI Research acredita que esta "falta de liquidez vai manter-se como um obstáculo para os bancos comerciais nos próximos meses, exacerbada pela fraca procura de crédito no setor do petróleo e na economia em geral".

 




DEBATE ESTE TÓPICO NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE ESTE TÓPICO NO ANÓNIMATO: