Luanda - Os Correios de Angola movimentam diariamente, no seu entreposto internacional, até uma tonelada de correspondência e encomendas, mas dificuldades financeiras estão a travar a reabilitação de 150 estações postais, que se deverão juntar às 60 em funcionamento.

Fonte: Lusa

A informação foi transmitida hoje à imprensa pela presidente do conselho de administração da empresa pública Correios de Angola, à margem de uma palestra em alusão ao dia mundial dos Correios, com Maria Luísa Andrade a assumir o recurso ao correio continua tradicional continua a ser uma prática usual entre a população.

 

"Diariamente, recebemos no nosso entreposto internacional um número considerável de malas de correio, meia tonelada, e as vezes chegamos a uma tonelada de correio de encomendas, e os números têm estado a aumentar", afirmou a administradora.

 

"A importância dos correios para a sociedade" foi tema desta palestra, que teve lugar no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), e que visou igualmente assinalar os 219 anos da Empresa Nacional dos Correios e Telégrafos de Angola.


De acordo com a presidente daquela empresa pública angolana, a instituição tem em funcionamento pelo país um total de 60 estações postais, número "ainda insuficiente para responder à demanda populacional", com a previsão de reabilitação de "mais 150 estações postais", operação "condicionada pela crise financeira".

 

"Daí que temos no plano diretor reabilitar 150 estações e com a componente financeira, que neste momento não é boa para ninguém, temos estado a reabilitar, mas não com a velocidade que gostaríamos de ter", assinalou.

 

Apesar das dificuldades financeiras que Angola vive, a responsável assegurou que decorrem a implementação de alguns projetos constantes do plano diretor de 2015, aprovados pelo Conselho de Ministros.

 

"Entre eles os serviços financeiros, com a criação do Banco Postal, e também com o expresso logístico. Estamos no último trimestre do ano e não podemos dizer que foi um ano mau de todo", apontou.

 

De acordo ainda com Maria Luísa Andrade, no quadro do novo panorama político do país, os Correios de Angola vão continuar a trabalhar no sentido de se levar a logística nos pontos mais recônditos de Angola: "Mesmo com os ventos das novas tecnologias ainda há essa cultura das pessoas usarem os correios.

 

Por sua vez, o diretor da Unidade de Negócios Expresso dos Correios de Angola, Joaquim Figueiredo, assegurou inovações pontuais dos serviços, como o transporte de envios de clientes acima de 20 quilos com o intuito de aumentar a rentabilidade da empresa.

 

"Implementamos em 2015 um serviço de carga logística, em que transportámos envios de clientes acima dos 20 quilos. Os 20 quilos é o peso máximo permitido para o transporte de correios, um produto lançado para contribuir na maior rentabilidade dos correios de Angola", explicou.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: