Lisboa -  O Presidente João Manuel Gonçalves  Lourenço rescindiu, nesta quinta-feira (9),  o contrato  entre o Estado angolano  e   a Bromangol, S.A, uma empresa ligada a interesses empresariais de José Filomeno dos Santos “Zenú”, filho do ex-Chefe de Estado José Eduardo dos Santos. 
 
Fonte: Club-k.net
 
Empresa  que  inflacionava o mercado cobrando  comissões exorbitantes
 
Gerida por  gestores   brasileiros, documentos em posse do Club-K dão conta que a  Bromangol foi criada aos 13 de Março  de 2008, em Luanda tendo  como objetivo social  a prestação de serviço de laboratório de analises clínica em geral.  No inicio de  2012, o então Presidente José Eduardo dos Santos concedeu a Bromangol a tarefa exclusiva de analises dos produtos alimentares importados. Isto é, toda mercadoria que entrasse em Angola tinha de se submeter as analises e controle da Bromangol cujos custos eram o equivalente a 5% da mercadoria importada. 
 
 
Para além de usurpar competências ao Laboratório Nacional do Comércio e Qualidade do Ministério do Comércio, a Bomangol, entrou em polemica nacional uma vez que os importadores reclamavam dos seus elevados custos e a demora na saída de bens importados do porto de Luanda. 
 
 
Os custos das análises laboratoriais eram de tal maneira elevados, que uma simples operação de despistagem de salmonelas estava tabelada em mais de 4500 dólares que irritavam os importadores nacionais. 
 
 
Numa fase inicial,  quem dava pelo rosto da Bromangol, é  Jorge Gaudens  Pontes Sebastião, o testa de ferro de José Filomeno dos Santos para os negócios feitos em território nacional.  Antes de deixar o poder, o ex-Presidente  nomeou – através do despacho presidencial 157/17 -  o “testa de ferro” do seu filho para o cargo de  Secretário Executivo do Secretariado Executivo do Conselho Nacional do Sistema de Controlo e Qualidade. 
 
 
Silvio Franco Burity, o actual diretor da Administração Geral Tributaria (AGT) , apesar de não fazer parte da estrutura acionista  foi ao tempo das alfandegas, um facilitador   envolvendo a Bromangol,  havendo   informações de que beneficia  de  uma avença pelo negocio. 
 
 
Em 2013, Silvio Franco Burity, foi alvo de denuncias de que teria alterado unilateralmente os custos aduaneiros (uma decisão que deveria ser da competência da Assembleia Nacional), condicionando assim o desenlace aduaneiro ao pagamento da inspeção dos produtos importados a Bromangol.  Isto é, ao aumentar os custos aduaneiros, mais caro ficava também os preços a serem praticados  pela Bromangol, de “Zenú” dos Santos. 
 
 
Para o analista, Carlos André,  a decisão do Presidente  João Manuel Gonçalves  Lourenço em desmantelar o esquema da Bromangol, pode ser enquadrada no seu programa de combate a corrupção, uma vez que através do monopólio que esta empresa  detinha, ela usurpava competências ao Laboratório Nacional do Comércio e Qualidade do Ministério do Comércio e  inflacionava o mercado cobrando as comissões exorbitantes aos importadores que configura em pratica de corrupção ativa. 
 
Tema relacionado 
 


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: