Luanda  - O grupo privado angolano Cligest inicia no sábado, em Luanda, a construção da sua sexta unidade clínica em Angola, um hospital universitário que vai envolver um investimento de 70 milhões de dólares (60 milhões de euros).

Fonte: Lusa

De acordo com informação transmitida hoje à Lusa por fonte daquele grupo privado, a unidade vai empregar 2.000 trabalhadores, incluindo o corpo clínico, e será implantada nos arredores de Luanda.

 

O futuro Hospital Universitário de Luanda vai ser construído pela Cligest de forma faseada, com o grupo privado a prometer implementar um projecto "o mais completa possível, respondendo aos enormes desafios actuais" do sector da saúde em Angola.

 

Aquele grupo informou à Lusa que nas cinco unidades que opera actualmente em Angola já emprega 600 colaboradores, além de um corpo clínico de 80 médicos e 160 enfermeiros, garantindo o tratamento a 60.000 pessoas por ano.

 

"A edificação do Hospital Universitário faz parte dos objectivos estratégicos da Cligest, cujos valores incorporam, não apenas a manutenção de um padrão de qualidade nos serviços que presta, mas também a valorização de recursos humanos, no domínio da Saúde, convergindo, assim, com as políticas do Governo, em matéria de aumento da oferta de ensino especializado", sublinhou o grupo privado, na mesma informação.

 

Dados de 2016 da Ordem dos Enfermeiros de Angola, noticiados anteriormente pela Lusa, referem que funcionam em Angola quase 2.400 unidades sanitárias, para menos de cinco mil médicos em função.

 

Por esse motivo, mais de 60 por cento das unidades sanitárias do país são asseguradas por enfermeiros, sector que emprega, na função pública 37.000 profissionais de enfermagem.

 

A Cligest é uma empresa que constrói e gere unidades de saúde, designadamente Clínicas e Centros Médicos Vida, apresentados como referência na prestação de cuidados de saúde em Angola, particularmente na área maternoinfantil.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: