Luanda - A administração municipal de Cacuaco, cerca de 18 quilómetros a norte de Luanda, suspendeu recentemente a actividade comercial do supermercado do Grupo Shoprite, localizado no bairro Baixa Vidrul, por possuir mais de 20 produtos com prazos expirados.

Fonte: Angop
O director municipal do comércio, Cremildo Eduardo, acrescentou que mais de 20 produtos expirados se encontram no armazém e nas prateleiras em grandes quantidades.

 

A infracção foi constatada pela equipa de fiscalização que se deslocou ao local, após ter recebido denúncias de alguns clientes.

 

Além dos produtos expirados, a equipa de fiscalização constatou não existir um sistema de ventilação no armazém.

 

Ademais, a fiscalização constatou igualmente que toda humidade produzida nos balneários chega até ao armazém onde estão as mercadorias.

 

Cremildo Eduardo clarificou que o supermercado continuará encerrado até que termine o inventario dos produtos impróprios para o consumo humano.

 

Inaugurado em 2015, o supermercado do grupo Shoprite de Cacuaco vende produtos alimentares, mobiliário, electrodomésticos, fármacos e outros bens.

 

Em Angola desde 2004, o grupo Shoprite conta com 29 lojas e emprega mais de três mil e 400 trabalhadores e constitui actualmente o mercado mais importante fora da África do Sul, com 50 porcento das vendas.

À margem da apresentação dos resultados provisórios do Grupo Shoprite para o último trimestre de 2017, o director executivo, Pieter Engelbrechet, destacou recentemente o desempenho das lojas angolanas.

Em entrevista ao portal sul-africano Business Live, o responsável explicou que a quebra 6,4 por cento nas vendas fora da África do Sul, verificada nesse período traduz o abrandamento verificado em Angola.

Ainda assim, o mercado angolano continua a ser o principal na região (representa 50 por cento das vendas), sublinhou Pieter lembrando que em Angola uma loja mediana vende 4 vezes mais champagne do que uma unidade igualmente mediana da Checkers- segmento do grupo especializado nas classes mais altas.

Ainda em relação em Angola, salientou o desempenho dos anos anteriores. “Crescemos mais de 100 por cento durante dois anos seguidos, pelo que a redução nas vendas é como uma correcção”, disse.

Recorde-se que a popularidade da Shoprite junto dos angolanos disparou em 2016.

Durante os últimos seis meses de 2016, a base de clientes dos 29 supermercados em Angola cresceu 70 porcento, disse a empresa em comunicado em Fevereiro de 2017. 

Além do alargamento da carteira de clientes, o maior retalhista da África do Sul adiantou que nesta altura as vendas em Angola dispararam 155 porcento.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: