Dubai/Maurícias – Jean-Claude Morais, patrono da Quantum Global, o banqueiro Suíço-angolano que através do Fundo Soberano Angolano, tinha como responsabilidade de investir 5 billhoes de dólares de Angola, repudiou hoje a decisão da Comissão de Serviços Financeiros (CSF) das Ilhas Maurícias por congelar 58 contas bancárias e um cativo de 519.4 milhões de dólares.

 

Fonte: Club-k.net

A "CSF" suspendeu as licenças da Quantum Global e congelou os fundos como "resultado de uma decisão do Tribunal Supremo das Ilhas Maurícias e deu a Quantum Global  sete dias para submeter um recurso por escrito”, desabafou o banqueiro e fez saber por outro lado que a “CSF” não providenciou detalhes sobre as causas da decisão do Tribunal Supremo.


O sócio do filho do ex-presidente angolano José Filomeno, informou igualmente que como resultado desta precipitada decisão, os negócios da Quantum Global, foram seriamente “danificados” e causando um impacto  directo nos trabalhadores, clientes e sócios.


Jean-Claude Morais espera que a “CSF”, de uma oportunidade na Quantum Global para se defender em tribunal.

 

Artigo relacionado:

 

“Nunca fui interrogado pelas autoridades angolanas”, Jean-Claude Morais

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: