Luanda - Isabel dos Santos, oradora convidada na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, defendeu que “para crescer precisamos de um novo modelo económico”.

Fonte: Jornal de Negocios

"É necessária uma mudança para um novo sistema, que nos permita acomodar o crescimento populacional, dissociando-nos das limitações de recursos, e que nos permita ir ao encontro das necessidades básicas de todos. Um sistema mais justo, focado nas pessoas e na sustentabilidade do meio ambiente", afirmou a empresária.

 

Isabel dos Santos participou como oradora convidada na Yale Conference for African Peace and Development, organizada entre 13 e 14 de Abril pela Yale Association for African Peace and Development (YAAPD), da Universidade de Yale, uma das mais prestigiadas universidades nos Estados Unidos da América.

 

Ao deixar alguns conselhos a estudantes e jovens sobre temáticas relacionadas com África e o desenvolvimento do continente, Isabel dos Santos alertou para a importância de se ter um plano e uma visão.

 

"Precisamos criar uma nova narrativa para África, e trabalhar para promover uma melhor vida para todos os seres humanos. Não é sustentável existir uma diferença tão grande entre as nações desenvolvidas e os países mais pobres", sustentou.

 

Para Isabel dos Santos, "precisamos de pensar nas questões ambientais e em como aproveitar e explorar de forma inteligente os recursos naturais: precisamos de energia limpa, de água limpa, de solos não poluídos... Hoje, com a tecnologia, é possível reduzir a assimetria entre o continente africano e o resto do mundo".

 

E acrescentou: "A inovação e a tecnologia vão-nos permitir crescer e eliminar o fosso que existe actualmente entre África e o resto do mundo".

 

A Yale Conference for African Peace and Development é uma conferência anual organizada pela Yale Association for African Peace and Development (YAAPD) – uma associação estudantil da Universidade de Yale. O evento é dirigido a estudantes e jovens adultos interessados na paz, desenvolvimento e resolução de conflitos no continente africano.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: