Lisboa - A Direcção Nacional de Combate a Corrupção, da PGR, ouviu a semana passada, durante 10 horas, a direção da empresa de construção Jeosat Angola, com destaque para o seu diretor-geral, Carlos Martins Rodrigues, o empresário que em março, fez denuncias contra o então numero dois do regime.

Fonte: Club-k.net

Carlos Martins Rodrigues denunciou, durante uma conferência de imprensa, em Luanda, que o general Manuel Vieira Dias “Kopelipa”, e seus colegas, teriam se apoderado de uma garantia soberana de 750 milhões de euros destinados ao projecto de requalificação das obras do Sambizanga e Cazenga.

 

Durante os interrogatórios, o instrutor do ministério público, Deodato José Paim Santos Inácio questionou aos responsáveis da Jeosat as motivações que o levaram implicar José Filomeno dos Santos e os generais Manuel Vieira Dias “Kopelipa” e Leopoldino do Nascimento na acusações feitas a margem da mediática entrevista.

 

Estes por sua vez, explicaram que as empresas destas individualidades aparecerem numa lista de dividas falsas como beneficiadas da garantia soberana, passada, em decreto presidencial para a Jeosat.

 

Os responsáveis da Jeosat, apresentaram ainda alegadas provas, com extratos do ex BESA ( agora Banco Econômico), extratos do Ministério das Finanças onde ocorreram pagamentos de Dividas Públicas Falsas equivalente a $ 3.150.000.000 ( Três bilhões e cento e cinquenta milhões de dólares).

Tema relacionado

“Kopelipa” acusado de ter ficado com € 750 milhões para requalificação do Cazenga

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: