Luanda - Seguro é uma palavra familiar, que connosco coabita diariamente, pois quem não gosta de estar segurado?

Fonte: Club-k.net

Trata-se de uma operação em forma de contrato, em que uma das partes transfere para outra as suas responsabilidades, mediante o recebimento de um valor (prémio do seguro), com a intenção de ser indemnizado no futuro em caso de ocorrência de um prejuízo (sinistro) no seu bem ou a si próprio, e desde que esteja indicado no contrato tais prejuízos.

 

Nenhum País do mundo desenvolveu-se sem os seguros, os seguros são importantes para o desenvolvimento social e económico de qualquer sociedade, são os seguros que garantem a recomposição das empresas ou das famílias em caso de ocorrência de alguma fatalidade.

 

Existem elementos próprios que caracterizam os seguros, nomeadamente o risco, sinistro, Segurador, Segurado, Segurado ou beneficiário, Franquias, Indeminização e Prémio, este ultimo valor do preço do seguro.

 

O fundamento seguro, assenta-se essencialmente na Incerteza do risco, no Mutualismo e na Previdência, providência diz respeito a protecção das pessoas em relação a elas e seus bens. Os seguros podem entre as suas características serem obrigatórios e facultativos,

Os seguros podem ser contratados directamente nos balcões das seguradoras ou através de um profissional denominado Mediador / Corrector de Seguros, que não encarece o prémio (preço) do seguro para quem o contrata.

 

Em angola, os seguros e Fundo de Pensões ganham corpo cada vez mais, visto que aumenta o número de seguradoras e de empresas gestoras de fundo de pensões que surgem no mercado todos os dias, isto é um bom sinal, e demostra apetência dos cidadãos em aderir cada vez mais os serviços apresentados pelas companhias de seguros aumentando consideravelmente a cultura de seguros. Constatamos que os cidadãos, estão cada vez mais preocupadas com a segurança e com os seus negócios.

 

Entre os vários tipos de seguros comercializados no mercado Angolano, destacam-se os seguros de Saúde, Seguro de Multirriscos habitação, Seguro de Transporte de Mercadorias, Seguros de Responsabilidade Civil Automóvel, Seguros de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais, Seguro Desportivo, Seguro Escolar, Seguros de Maquinas e Equipamentos, Seguros de Acidentes Pessoais, Seguros de responsabilidade Civil Aviação, Seguros de Vida entre outros.

 

Nesta lista de seguros comercializados em Angola, urge a necessidade de alguns se tornarem obrigatórios, assim como a injecção de outros pacotes (coberturas) a exemplo dos Seguros da carta de Condução, Seguros Ambiental, Seguros de Restauração, Seguro de Animais domésticos, Seguros de Equipamentos electrónicos, Seguro agrícola, seguros Para Estudantes com frequência Universitária, Seguros de Bicicleta, Micros Seguros de Danos, e Seguros de Acidentes Pessoais Vida Profissional. Neste seguimento de ideias, entendemos que deveriam merecer maior atenção das seguradoras, resultante da dinâmica social e económica que assistimos, entendemos ser momento de novos produtos surgirem no mercado.

 

Os seguros são fonte de bem-estar, tranquilidade e geração de emprego. Possuem uma função social e económica muito importante. Para um País em desenvolvimento, as iniciativas dos empreendedores e empresariais devem ser potenciadas por este nicho de mercado, através da criação de valor que ajuda a proteger as famílias e as empresas face a exposição do risco, salvaguardando a estabilização da situação financeira da parte de quem investe sem colocar de lado a possibilidade de atracção de mais investidores para o mercado.

 

As seguradoras devem continuar a trabalhar para apresentarem outros tipos de oferta de serviços mais ajustadas ao bolso dos cidadãos e responderem as suas expectativas, hoje o cidadão é mais exigente e está mais informado.

 

Por outro lado, entendemos que deve haver também maior celeridade na regularização dos sinistros, e investimento a nível técnico. As Seguradoras que melhor prepararem-se tecnicamente e responderem mais rápido as questões de sinistralidade, terão maior probabilidade de sobreviverem. Tem sido recorrente as reclamações ligadas a factores que descaracterizam o contrato entre as partes, resultante da morosidade na regularização dos sinistros.

 

A reforma do sector também é uma preocupação, uma vez que muitas das leis e decretos que hoje vigoram, não respondem ou não estão alinhadas com a actual dinâmica e situação do mercado, existe a necessidade urgente de reformas profundas.

 

A confiança é a principal arma da actividade financeira, as seguradoras devem ser transparentes diante dos seus segurados e futuros segurados, reduzindo desta forma as assimetrias de informação, e só assim merecerão destes atenção e contributos para mais negócios, para que possam atingir seus objectivos organizacionais e ajudarem o desenvolvimento das sociedades.

 

A dinâmica e a elasticidade do mundo digital, é um factor a ter em conta pelas Seguradoras e pelas sociedades gestoras de fundo de Pensões, pois este representa o crescimento, desenvolvimento, expansão, divulgação e a protecção dos negócios, devem investir no sector das tecnologias.

 

Para um mercado cada vez sólido, é importante que o foco das seguradoras esteja ligado ao seu bem mais precioso, os Clientes.

Parabéns a classe.

Júlio Matias

Consultor de Seguros

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: