Diáspora

Canadá: Embaixador angolano afirma que José Eduardo dos Santos é uma referência em África

Ottawa - O embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola no Canadá, Edgar Gaspar Martins, manteve no fim da tarde de Sábado, um encontro de cortesia, auscultação e partilha de ideias no âmbito político, económico e social, com os angolanos residentes nas cidades de Toronto e Hamilton, província de Ontario.

Fonte: Angop

Embaixador reúne-se com angolanos em Toronto

No encontro, Edgar Martins manifestou a necessidade dos angolanos residentes neste pais manterem-se unidos e organizados nas suas associações para que possam tornar-se cada vez mais fortes e respeitados no interior e exterior do Canadá e ao mesmo tempo criar uma maior independência em relação às ajudas financeiras da embaixada.


Este encontro, realizado na sequência do programa de auscultação das comunidades, iniciado no passado fim-de-semana em Montreal, serviu para que o diplomata angolano passasse em revista o actual momento que se vive no país.


O chefe da missão diplomática angolana fez uma incursão pela política externa do país, apontando os factos mais relevantes do percurso de Angola, a nível internacional, que a torna, bem como ao seu presidente, José Eduardo dos Santos, uma referência em África, citando como alguns exemplos, a recente nomeação para o Conselho de Segurança da ONU, a liderança da região dos Grandes Lagos e o papel decisivo na pacificação de conflitos regionais.


Apelou, ao terminar, ao patriotismo e orgulho dos presentes em serem angolanos, trabalhando e estudando na diáspora, para que num futuro próximo possam dar o seu contributo para o desenvolvimento de Angola.


Os membros da comunidade solicitaram ao embaixador maior celeridade na tramitação de documentos, propondo, tal como aconteceu em Montreal, a abertura do sector consular aos fins-de-semana para atendimento dos compatriotas que por razões de estudo, trabalho ou morada distante não se possam dirigir à embaixada nos dias úteis.


Propuseram, também, que a embaixada forneça alguns livros escolares do nosso sistema de ensino e que interceda, junto das autoridades competentes, para uma redução dos encargos alfandegários para materiais e equipamentos de alta tecnologia que sirvam para a abertura de pequenas e médias empresas de cidadãos regressados a Angola.

De entre as várias iniciativas de relevo da comunidade, estão a recolha de fundos para a construção de uma escola em Maquela do Zombo e um centro médico na província do Huambo, o acompanhamento migratório e de assentamento de compatriotas, a disponibilidade de aulas de português, história e geografia de Angola e a realização de actividades de carácter social e desportivo.


No encontro foi apresentada a Miss Turismo Toronto, a angolana Priscila Paulo e foi efusivamente saudado um grupo de jovens angolanos recentemente formados e graduados, em várias especialidades, em Universidades do Canadá.

Embaixador de Angola no Canadá: "Melhor gestão e controlo dos fundos disponíveis"

Ottawa - O embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola no Canadá, Edgar Gaspar Martins, manteve neste final de semana, na sede da Associação da Comunidade Angolana residente em Montreal, um encontro de auscultação com os cidadãos angolanos residentes.


Fonte: Angop

No encontro, Edgar Martins fez uma breve resenha da conjuntura política, económica e social de Angola, sublinhando os ganhos da paz e unidade nacional, consubstanciados nos avanços visíveis nos sectores da educação, saúde, infra-estruturas, habitação, entre outros.


O diplomata angolano alertou para a actual crise financeira que o país atravessa, que obriga a uma melhor gestão e controlo dos fundos disponíveis.


Apelou à comunidade para uma melhor organização interna, para que se torne uma parceira forte e independente da missão diplomática e não um organismo dependente dos apoios financeiros da embaixada.  


O chefe da missão diplomática fez uma incursão pela política externa do país, destacando a recente nomeação de Angola para o Conselho de Segurança da ONU, a liderança da região dos Grandes Lagos e o papel decisivo na pacificação de conflitos regionais.


Os membros da comunidade solicitaram ao embaixador maior celeridade na tramitação de documentos.


No próximo dia 26, o embaixador Edgar Martins manterá um encontro com a comunidade angolana residente em Toronto.

Livro de antiga guerrilheira da UNITA é lançado em Lisboa

Lisboa – Será lançada no próximo dia 30 de Julho, pelas 18:30, na livraria do Bertrad do Chiado, em Lisboa a autobiografia de Anabela Chipeio Muekalia, uma antiga guerrilheira da UNITA, que presentemente lecciona numa Univeridade em Washington.

Fonte: Club-k.net

 

O livro é descrito (pela FNAC) como um relato autobiográfico de uma jovem angolana apanhada pelo turbilhão da guerra que destrói todas as suas referências familiares. Ela consegue, nesses anos dramáticos, na Jamba e em outros teatros de combate, em Angola ou em países estrangeiros, encontrar as forças e os objetivos suficientes – pessoais e patrióticos – para prosseguir a vida e se superar sempre, estudando e acabando por encontrar, depois da paz, uma felicidade que toda aquela luta torna hoje ainda mais valiosa. Uma lição de vida de uma mulher angolana.

 

Anabela, viveu como refugiada na Namibia tendo depois sido enviada para o Senegal como bolseira da UNITA. É casada com Domingos Jardo Muekalia, antigo representante da UNITA em Londres e em Washington.

 

 

 

 

Doentes angolanos dizem-se abandalhados pela Embaixada de Angola

Lisboa - Um grupo de doentes angolanos de junta médica em Portugal, clamam humildemente socorro ao governo angolano a sociedade civil e em geral, por serem abandalhados pela embaixada de angola em Portugal.

 

Fonte: Club-k.net

Esta constatação consta de uma nota de protestos dos mesmo, onde acusam um funcionário Nuno Marcelo Oliveira de ter alegadamente privatizado o Sector de saúde da Embaixada de Angola em Portugal.

 

As acusações contra o referido funcionário são ilustradas nas seguintes atitudes a saber:

  • O não pagamento dos subsídios de subsistência á mais de 6 meses.
  • Afastamento compulsivo de doente em tratamento sem o concebimento e aprovação dos médicos locais.
  • Expulsão de doentes que se encontram ainda em tratamento, fora das pensões.
  • Corte de subsídio de subsistências á doentes com insuficiência renal crónica (transplantados renais).
  • Imposições aos doentes á recorrerem ao sistema de saúde pública Portuguesa. Descartando de quaisquer responsabilidades do sector para com os doentes.
  • O mesmo ignora doentes com credências de junta médica, vindo de Luanda - Angola.
  • Chefe do sector da saúde Sr. Nuno Marcelo Oliveira, força sua adjunta, á proceder assinaturas de cheques, para a compra de artigos de luxo, para o uso pessoal. Exemplo a compra da viatura, Mercedes TOP DE GAMA, que custou aos cofres do Angolano mais de 08 mil euros  cujo os valores estariam ao pagamento dos subsidio de subsistência dos doentes, bem como das dividas nos hospitais e pensões.
  • O mesmo, após de concluir uma acção barbaria diz, vão se queixar onde quiserem.

 De acordo com os queixosos “os doentes só clamam á protecção das suas vidas. Todos aqueles que são famílias, amigos conhecidos que clamam a verdade do Direito, PARTILHA em gesto de solidariedade.”

Antigos trabalhadores na ex-RDA manifestam-se em Bruxelas

Luanda - Como a VOA anunciou ontem, cerca de 250 antigos trabalhadores angolanos na ex-República Democrática Alemã(ex-RDA) manifestaram-se nesta sexta-feira, 5, em Bruxelas para exigirem ao Estado angolano o dinheiro que a Alemanha pagou e que nunca lhes foi entregue.

Fonte: VOA

“Dos 100% que devíamos receber, 25% recebemos e 75% iam para Angola, sem nosso conhecimento. A Alemanha cumpriu o prometido e o Governo angolano tinha de fazer chegar esses valores aos ex-trabalhadores, mas nunca aconteceu”, disse à Lusa Fausto Cumbico, um dos organizadores do protesto.

 

“Senhor presidente, 24 anos. Basta. Queremos uma solução definitiva”, podia ler-se nas camisolas dos manifestantes, cuja maioria vive na Alemanha.

 

"Não é nossa intenção manchar a imagem de Angola aqui na Europa, mas a necessidade nos obriga, e este é um direito que temos porque foi o nosso trabalhamos e não vemos o nosso dinheiro, enquanto isso não acontecer as marchas aqui não vão parar", advertiu Miguel Cabango à VOA.

 

De acordo com os ex-trabalhadores e alguns documentos que possuem, 1.700 angolanos encontram-se nessa mesma situação e cada um espera receber 180 mil dólares.

Portugal: Polícia conta por que comissário de bordo da TAAG se atirou do táxi

Lisboa - O jovem de 22 anos que morreu depois de cair de um táxi na Segunda Circular, em Lisboa, terá saltado do carro em andamento porque estava com medo de ser assaltado ou alvo de uma combinação entre o taxista e a mulher que o acompanhava.A história é avançada pelo "Correio da Manhã", que dá conta das conclusões da investigação da PJ, que entretanto identificou o taxista.

Fonte: Msn

Rui Dibuela, o comissário de bordo da TAAG, jantou no Centro Comercial Colombo e apanhou o táxi com uma mulher (que tinha conhecido recentemente) para um hotel na zona do Campo Grande.Mas mal começou a viagem, o taxista ter-se-á envolvido num despique com outro condutor, guiando de forma agressiva. O jovem ter-se-á assustado e temido que fosse vítima de um esquema entre o motorista e a mulher. Querendo escapar da situação, abriu a porta do carro e saltou em andamento, tendo batido com a cabeça no asfalto e ficando inanimado junto às bombas da Repsol. Morreu horas depois já no hospital.

A investigação apurou que a mulher saiu cerca de um quilómetro depois, história confirmada pelo taxista, e que não se conheciam antes deste incidente.

 

África do Sul: Angolano recebe diploma numa das melhores Universidade de África

Joanesburgo - Um estudante angolano na África do Sul, Yuri Torres Vieira Dias Cunha recebeu no passado dia 5 do corrente mês o seu diploma em direito pela “UNISA-University of  South Africa”, instituição que se encontra no rank das “top10” das melhores do continente africano.

Fonte: Club-k.net

A atenção que se presta ao assunto,  deve-se ao facto de o mesmo ser um dos raros angolanos a concluir com sucesso o curso de direito incluindo uma pós- graduação na mesma área de estudo. 

 

Recentemente uma outra angolana, Mila Malavoloneke, concluiu  também  o curso de direito na “Wits University”, uma outra instituição sul africana que tem liderado o “top 10” das melhores de África. Esta jovem   jurista  terminou igualmente  uma pós graduação e  está em vias de avançar com um mestrado em direito marítimo. Mila Malavoneque que é uma destacada activista, nas redes sociais  é filha do académico angolano Celso Malavoloneke.

 

Edson Vieira Dias  Cunha, Herivaldo "Hery" Augusto, Lidiana Baptista, Erica Cerejo, Ana Costa e Aristides Cabeche são outros estudantes de Angola que receberam os seus diplomas de licenciatura em prestigiadas universidades sul africanas, no ano académico de 2013/2014.

 

 

 

 

 

 

 

Mila Malavoloneke: A coragem de juntar jovens angolanos espalhados pelo mundo

Luanda - O desafio começou numa simples conversa de rotina na Universidade, evoluindo para um blog e, hoje numa plataforma mais desenvolvida, deu origem ao projecto Jovens da Banda. Afastados uns dos outros marcam a diferença com um suporte das novas tecnologias.

Fonte: Novo Jornal

Tudo começou na Africa do Sul, numa das salas da universidade quando Mila, ainda com 18 anos,estava apenas no primeiro ano. "Tenho dito que entrei na universidade aspirando ser mais uma advogada de sucesso que iria à tribunal bem vestida e faria muito dinheiro, mas isso começou a mudar, gradualmente, a partir do primeiro dia de aulas, quando o sentimento de justiça e a fome por desenvolvimento, superou todas as outras ambições que possuía".

A jovem explicou que passou então a absorver o máximo que podia, partilhando conhecimentos com um ciclo pequeno de jovens, "alguns dos quais viriam a tornar-se amigos", disse. "O canto de Mi.Stéphanie" é o blog que serviu como pontapé de saída para que as coisas começassem a ganhar corpo.

Nesta sua plataforma digital, teve a oportunidade de partilhar o pouco que aprendia assimcomo questionar aspectos ligados a sociedade civil e mostrar jovens que, embora no anonimato, já faziam muito pelo seu país de origem.

A inciativa serviu também como oportunidade para entrevistar algumas figuras importantes no cenário político angolano. O crescimento do blog deu lugar à uma plataforma maior que denominou Jovens da Banda que juntou alguns angolanos espalhados pelo mundo com a missão de promover a mudança nesta franja, inspirando-os a inovar, pensar diferente, produzir, questionar e, acima de tudo, acelerar o desenvolvimento.

Segundo a entrevistada,numa primeira fase está a ser implementado como uma revista nos formatos impresso e digital. Jovens inconformados e que procuram sempre melhorar, dão espaço à outros, desde que estejam a fazer a diferença no meio em que se encontram. "Destacamos jovens que não desistem de sonhar por uma Angola melhor,independentemente das pedras que encontram pelo caminho. Mostramos alternativas e opções para jovens sonhadores mas acimade tudo, queremos que inspirarem- -se em jovens iguais" confessou a mentora do do projecto.

Hoje, com mais de vinte jovens, dentre escritores, cronistas, designers e demais sonhadores espalhados pelo mundo, o projecto tem uma redação virtual em que os jovens fazem uso das novas tecnologias para o benefício próprio e crescimento do trabalho que fazem enquanto distantes uns dos outros.

"Temos em comum o sonho de ver o nosso projecto, tais como a nossa revista ser lida nas dezoito províncias do país para que, além de conhecimento, os nossos jovens possam conhecer histórias de pessoas que passaram pelas mesmas dificuldades".

Salta à vista o facto de gerir um projecto de tamanha ambição com tão pouca idade. Para ela, não é fácil. "Felizmente, conto com a ajuda do nosso director executivo, Deslandes Monteiro, que é formado em Direito Empresarial e Entrou para o projecto na Itália, onde estudava, mas encontra-se já em Luanda". Ainda sobre a equipa que dá o suporte necessário, Mila fala ainda do jovem Liano Lemos, seu sócio. Este vive ainda na Inglaterra onde está a fazer formação em engenharia.

"Eu cuido apenas da redacção ou seja, das matérias que vão para o ar no portal e na revista; tento envolver-me o mínimo possível em questões de gestão e administrativas", esclareceu.

Não se deixando influenciar pela negatividade, o Jovens da Banda pretende romper fronteiras. "Eu sonho em ver o projecto em mais países africanos e não me refiro somente aos de expressão portuguesa porque creio que nós, nova geração, precisamos reaver princípios como o pan-africanismo e a consciência negra. Temos muito que partilhar com os nossos irmãos africanos, eles têm muito que nos ensinar e podemos inspirar-nos uns aos outros. Creio que esta difusão tem sido adiada devido ao antagonismo mediáticode que os nossos irmãos africanos têm sido alvo, sobretudo dos países mais pobres ou que ainda vivem conflitos armados".

Mila reconhece que a sua geração tem hoje um desafio muito grande. "(…) porque se a geração anterior à nossa lutou para libertar-nos da ocupação e opressão física dos colonialistas, a grande batalha da minha geração será para lutar contra a ocupação e opressão psicológica dos media. Eu espero poder fazer o máximo para contribuir neste desafio", concluiu diante das adversidades Mila Stéphane Malavoloneke e seus colaboradores quebram a monotonia sem esperar recompensas ou estar sob os holofotes.

// TAG FOR ADVERTISEMENT