Sociedade

Raptores queriam três milhões para libertar português sequestrado

Luanda - Um português de 50 anos esteve três dias raptado em Luanda, juntamente com um cabo-verdiano, com os sequestradores a usarem violência e a pedirem à família um resgate de três milhões de dólares, anunciou hoje a polícia angolana.

Fonte: DN

A Polícia Nacional de Angola apresentou hoje aos jornalistas, no comando de Luanda, os três suspeitos, dois de nacionalidade nigeriana e um da República Democrática do Congo, detidos na operação especial de resgate desencadeada no dia 23 de setembro.

 

De acordo com a polícia, os três homens, em situação ilegal em Angola e com idades entre os 32 e os 42 anos, foram os autores de outros cinco raptos de estrangeiros ocorridos em Luanda em março passado.

 

"Foi pedido um resgate, várias vezes, mas foi tudo coordenado para que isso não acontecesse. Em alguns momentos houve até um tratamento violento, mas foi possível às pessoas que estavam lá aguentar e agora estão sãos e salvos", disse hoje aos jornalistas o diretor provincial da Investigação criminal de Luanda, Amaro Neto.

 

O português, administrador da empresa SIAP, foi raptado no município de Belas (Talatona), arredores de Luanda, pelas 21:00 do dia 20 de setembro. O cidadão cabo-verdiano - também com nacionalidade indiana -, comerciante de 44 anos, estava "em cativeiro" desde 19 de setembro, quando foi raptado em Viana, também nos arredores da capital angolana.

 

"Começou com 3 milhões [de dólares, de pedido de resgate], depois passou para dois milhões e depois para um milhão. Mas qualquer um desses valores não foi entregue", garantiu o responsável pela investigação criminal de Luanda.

 

Ambos foram libertados a 23 de setembro numa operação autorizada "ao mais alto nível", no sul de Luanda, onde os dois estrangeiros estavam retidos e que envolveu várias forças de polícia.

 

Segundo Amaro Neto, os raptores foram "surpreendidos" pela dimensão da intervenção policial e não ofereceram resistência, apesar de os investigadores terem apreendido na posse dos suspeitos cinco espingardas automáticas AKM e 15 carregadores com munições.

 

Foram apreendidas igualmente três viaturas, inclusive um táxi de transporte informal de passageiro, alegadamente utilizado para realizar os raptos, além de 10 milhões de kwanzas (54 mil euros) em dinheiro

 

Desmantelada rede que se dedicava ao rapto de cidadãos estrangeiros

Luanda - Sob coordenação e orientação do Ministro do Interior, Dr. Angelo de Barros da Veiga Tavares e exemplarmente executado pela Polícia Nacional, sob mando do Comandante Geral e do SIC, desmantelou-se uma rede de cidadãos expatriados que se dedicavam ao rapto de cidadãos estrangeiros.

Fonte: Policia Nacional

Fruto de uma denúncia dos familiares de uma das vítimas que se encontrava já sob cárcere privado numa residência em Viana, os Serviços de investigação criminal e Polícia Nacional, no âmbito de um forte trabalho que vêm realizando, procedeu-se à detenção de 2 indivíduos, conhecidos por " Patrick", de nacionalidade Nigeriana e " Mutumbo ", de nacionalidade Congolesa.


A primeira acção dos meliantes teve lugar nas imediações da estalagem, onde foi vítima o cidadão de dupla nacionalidade, indiano e cabo-verdiana, Akbar Nadar, quando saía do seu estabelecimento, depois de ter sido acompanhado minuciosamente a rotina da vítima, e na sua retirada para o carro, surgiram fortemente armados, 3 indivíduos, a bordo de uma viatura de marca Hiace, que sob forte ameaça, retiraram a vítima e levaram-no para uma residência em Viana.


A vítima confessa não ver para onde foi levado, nem havia condições para ver o trajecto, uma vez que foi amarrado e quase sufocado "Eu só sei que depois de algum tempo chegamos numa residência, colocaram-me de pé num quarto e bateram-me muito na cabeça, com armas, enquanto me pediam dinheiro, tendo como ponte a família. Estou encantado pelo excelente trabalho da polícia em conseguir chegar até ao esconderijo. Eu já não tinha esperança de vida, estou orgulhoso da polícia angolana pelo trabalho, nem tenho palavras, muito obrigado" desabafou a vítima já depois de ver a luz do dia ao lado da Polícia.


Mas as acções de rapto deste grupo não ficaram por aí. Sedentos de dinheiros e imbuídos no espírito de enriquecimento fácil, a qualquer custo, foram ao encalço de outra vítima, tratando - se do cidadão de Nacionalidade portuguesa que atende pelo nome de António Cruz. Segundo o depoimento da vítima à PN, tudo começou quando, em plena via, surge um veículo com características estranhas, para bruscamente a frente da sua viatura, o resto foi um cenário digno de um roteiro dos filmes de Hollywood.


“5 indivíduos armados até aos dentes retiram - me da viatura e num ápice já eu estava em lugar desconhecido, depois, disse para mim mesmo, já num quarto fedorento e com pertences dos raptores, que aqueles eram os últimos minutos da minha vida. Agradeço ao Ministro do Interior e a Polícia nacional pelo trabalho excepcional que resultou na minha libertação. Quando vi pelo buraco da fechadura, homens com coletes e encapuzados, senti que Deus e a Polícia me devolveram a vida, obrigado, mas muito obrigado mesmo, a Polícia existe para isso, para velar pela nossa segurança, estou com muito boa impressão da Polícia, não contava com o envolvimento pessoal do Senhor Ministro do Interior e Comandante Geral " desabafou de alívio o cidadão português.


Numa clara demonstração de comprometimento e responsabilidade com a segurança dos expatriados e não só, o Ministro do Interior manteve um encontro com as vítimas para os tranquilizar e deixar um palavra de alento, tendo de seguida devolvido as vítimas aos seus familiares.


Em posse dos meliantes foram encontrados alguns meios, como 5 armas de guerra do tipo AKM, 15 carregadores completamente preenchidos com munições, um saco contendo muitas munições, 3 viaturas, 10 telemóveis, 10 milhões de Kwanzas, bem como outros meios que foram utilizados para a perpretação de crimes.

 

 

Mercado do Kifica vira Matongué

Luanda - O mercado do Kifica, na comuna do Benfica, município de Belas, está mergulhado num verdadeiro caos devido ao seu crescimento desordenado.

Fonte: Club-k.net

A maior desorganização regista-se na parte exterior da praça onde o número de vendedores tem vindo a crescer nos últimos tempos de forma assustadora. A situação tem estado a afectar a circulação de veículos num dos pontos do mercado, onde a certas horas do dia se misturam vendedores, clientes, carros do processo e kupapatas.

 

 

“Isto parece um autêntico Matongué”, lamenta um automobilista, numa clara alusão ao mercado original da República vizinha do Congo, que tem na desorganização e anarquia como a sua principal imagem de marca.

 

Com uma capacidade instalada de dezenas de bancadas, o mercado do Kifica alberga cerca de duas centenas de vendedores, muitos dos quais vendem as suas mercadorias sem obedecer as mínimas condições de higiene.

 

À volta do mercado foram instalados contentores, alguns dos quais que se dedicam à venda de alimentos e bebidas, enquanto outros foram convertidos em oficinas de reparação de geradores e equipamentos de frio.

 

O crescimento anárquico da praça está a roubar inclusive lugares de estacionamento aos veículos, já que nos espaços destinados aos carros foram erguidas barracas de comes e bebes. “Temos cada vez mais dificuldades em estacionar os nossos veículos, visto que os parques de estacionamento foram ocupados pelos vendedores”, lamentam alguns moradores do Kifica.

 

Os vendedores, que expõem as suas mercadorias no chão por falta de bancadas, pagam diariamente uma taxa mínima de ocupação de 150 kwanzas, desconhecendo-se o destino dado aos montantes arrecadados.

 

 

Angola: Responsável do MINFAMU realça maior estruturação familiar

Luanda - A directora nacional do Ministério da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), Maria das Dores, realçou neste domingo, em Luanda, a necessidade duma maior estruturação familiar para a prevenção da gravidez na adolescência e casamento precoce.

Fonte: Angop

Convidada a dissertar o tema sobre a “prevenção da gravidez na adolescência”, na igreja Messiânica Mundial, apontou a desestruturação familiar como sendo o principal factor que leva muitas adolescentes a engravidar precocemente.

 

Referiu que estão ainda associados ao crescente fenómeno vivenciado pela sociedade angolana, o uso excessivo de bebidas alcoólicas e drogas, a desinformação sobre a gravidez e métodos contraceptivos e o baixo nível financeiro das famílias.

 

A título de exemplo, fez saber que em 100 partos que acontecem na maternidade Lucrécia Paím, em Luanda, 18 são de gravidezes precoces.

 

Face a situação, lembrou que o seu pelouro lançou, em 2015, a campanha “Juntos Contra a Gravidez e Casamento Precoce em Angola”, que visa consciencializar a sociedade sobre as consequências nefastas da gravidez na adolescência e casamento precoce.

 

Serviço Penitenciário nega maus-tratos contra reclusos

Luanda - O porta-voz do Serviço Penitenciário angolano, Menezes Cassoma, garante que os reclusos do estabelecimento prisional de Viana não são vítimas de maus-tratos. "Não é verdade que os reclusos se encontrem naquele estado porque estão a ser mal-tratados. É importante que a sociedade saiba que aqueles reclusos estão doentes, muitos deles padecem de tuberculose, outros são seropositivos e outros padecem de outras doenças”, afirma Cassoma.

Fonte: DW

Recentemente, Nuno Dala e Nelson Dibango, dois dos 17 ativistas angolanos, acusados de atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores, denunciaram que falta comida a mais de 200 reclusos da prisão de Viana, na província de Luanda. Segundo os ativistas, muitos reclusos estão há menos de um ano naquela cadeia e já estão esqueléticos.



Menezes Cassoma nega que haja falta de alimentação nas cadeias. "Os 200 reclusos que se encontram naquele bloco não estão todos na mesma condição. Não se trata da questão da falta de alimentação, o problema é que eles são doentes. Na cadeia, todo o recluso tem direito a três refeições: pequeno-almoço, almoço e jantar", reitera, alegando que alguns presos entram em estado de depressão por falta de apoio familiar.


Mas Cassoma garante que, face à situação em que se encontram os reclusos, já foram tomadas medidas: "desde março que, paralelamente à alimentação diária que eles têm, temos dado um reforço de papas e sopas nutricionais".



No entanto, na opinião do ativista Nuno Dala, "o facto de se estar a providenciar aos presos magros leite e papas enriquecidas, está-se a reconhecer que realmente a situação nutritiva dos presos é catastrófica".

 

Dois estrangeiros raptados foram libertados pela polícia

Luanda - Uma operação policial permitiu libertar dois cidadãos raptados em Luanda, um dos quais de nacionalidade portuguesa, informou ontem à Lusa o Ministério do Interior.

Fonte: Lusa

O segundo raptado foi referido como tendo dupla nacionalidade, cabo-verdiana e indiana e o ministério refere numa nota que ambos tinham sido raptados “recentemente” na província de Luanda.


A operação que resultou na libertação dos raptados foi levada a cabo por agentes do Serviço de Investigação Criminal e da Polícia Nacional e culminou com a detenção de três sequestradores.


“Os sequestradores envolvidos na referida acção são estrangeiros”, refere a nota, acrescentando que a operação levou ainda à apreensão pela polícia de viaturas, armas de fogo e “outros objectos contundentes”.


“Após a libertação dos cidadãos, o ministro do Interior deu conforto e tendo na ocasião sublinhado o empenho do Estado em tudo fazer para garantir aos cidadãos que residem ou visitem Angola a necessária segurança”, refere a nota, que remete mais informações sobre este caso, pelos “órgãos competentes”, para os próximos dias.

Luanda tem apenas 67 homens por cada 100 mulheres

Luanda - O Censo Geral da População e Habitação de Angola realizou-se em maio de 2014 e os dados globais nacionais definitivos, apontando para uma população nacional acima dos 25,7 milhões de pessoas.

Fonte: Observador

O município de Luanda é o mais populoso de Angola, com 2,1 milhões de habitantes, mas apresenta a maior diferença no rácio entre sexos, com apenas 67 homens por cada 100 mulheres, segundo dados definitivos do recenseamento da população.

O Censo Geral da População e Habitação de Angola realizou-se em maio de 2014 e os dados globais nacionais definitivos, apontando para uma população nacional acima dos 25,7 milhões de pessoas, foram divulgados em março deste ano.


Na apresentação dos dados finais relativos à província de Luanda, que decorreu esta quinta-feira na sede do Instituto Nacional de Estatística (INE), na capital angolana, Paulo Fonseca, coordenador técnico da operação, apontou como “preocupante” que 54% dos agregados familiares da província de Luanda tenha admitido nos questionários que despeja o lixo ao ar livre.

O censo de 2014 permitiu recensear 6.945.386 pessoas residentes na província de Luanda, das quais 6.919.613 residiam em habitações familiares e 23.460 em habitações coletivas como creches, lares de idosos, orfanatos ou unidades religiosas, enquanto 2.313 não tinham habitação.

Entre as pessoas sem habitação, 28% (quase 650) são crianças com menos de 15 anos, referem as conclusões do censo.

“A capital aumentou de população muito bruscamente e também se observa que a faixa etária dos 0 aos 4 anos tem um défice de população registada [68% destas crianças não estão registadas], o que é preocupante”, disse Paulo Fonseca.

A idade média da população de Luanda é de 21,1 anos, enquanto apenas 1,5% dos habitantes têm mais de 65 anos.

O censo permitiu concluir que, contrariamente a projeções anteriores, o município e cidade de Luanda é o mais habitado da província, com 2.194.747 residentes em maio de 2014, seguida de Viana (1.605.291 habitantes), Belas (1.075.109), Cacuaco (1.070.147) e Cazenga (892.401).

Os municípios menos populosos de Luanda – cuja província apresenta um densidade demográfica de 369 pessoas por cada quilómetro quadrado – são Icolo e Bengo (81.144) e Quissama (26.546).

A nível provincial, 18% dos agregados familiares são constituídos por sete membros, mas a média não chega a cinco. O estudo concluiu também que em toda a província o número de “unidades habitacionais” é de 1.484.350, sendo 34% casas arrendadas.

Segundo os resultados do censo, apenas 47% dos agregados familiares têm acesso a “fontes apropriadas” de água para beber, sendo que 46% recorrem ao abastecimento por camião cisterna e 28,9% ao fornecimento da rede pública.

Igualmente “preocupante” é o facto de entre a população com 18 a 24 anos, apenas 25% ter completado o segundo ciclo do ensino secundário e 5% entre a população acima dos 24 anos o ensino superior.

O português é a língua mais falada nas casas da província de Luanda (88%), seguida do kimbundu, do kikongo e do umbundu, enquanto as religiões protestantes ou evangélicas são as mais praticadas (38%), seguidas da católica (31,1) e da islâmica (0,8%).

Quem Somos

CLUB-K ANGOLA

CLUB-K.net é um portal informativo angolano ao serviço de Angola, sem afiliações políticas e sem fins lucrativos cuja linha editorial consubstancia-se na divulgação dos valores dos direitos humanos, educação, justiça social, analise de informação, promoção de democracia, denuncias contra abusos e corrupção em Angola.

Informamos o público sobre as notícias e informações ausentes nos canais informativos estatal.  Proporcionamos ao público uma maneira de expressar publicamente as suas opiniões sobre questões que afectam o dia-a-dia, qualidade de vida, liberdades e justiças sociais em Angola... Leia mais

Contactos

 

  • E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

  • WhatsApp: (+244) 918 512 433 Para uso no aplicativo WhatsApp apenas!

  • Reino Unido : (+44) 784 848 9436

  • Buffalo / EUA: (+1) 347 349 9101 

  • New York /USA: (+1) 315 636 5328

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber novidades diárias na sua caixa de e-mail.

INSERE O SEU E-MAIL

Infográficos