Benguela -  Faleceu às 10h30 de Quinta-feira, 15 Setembro de 2011, na sequência de um acidente de aviação ocorrido nos arredores da cidade do Lubango (Huila), o piloto-aviador tenente-coronel António Nunes Firmino "Murray". A queda do SU-22 da Força Aérea Nacional verificou-se durante um vôo de rotina, segundo informou a FAN.


*Jaime Azulay
Fonte: jaimeazulay.blogspot.com/

 
A urna contendo os seus restos mortais foi  sepultada no Sábado, 17 de Setembro, no cemitério da Camunda, em Benguela, "Cidade das Acácias-Rubras", onde nasceu no dia 16 de Junho de 1967. Deixa o mundo dos vivos aos 44 anos de idade, após uma brilhante carreira como piloto de caça, sendo considerado pelos seus camaradas da Força Aérea Nacional como um verdadeiro "Ás", categoria restrita a qual pertencem apenas os mais intrépidos pilotos.


     Ingressou nas FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) em 1986, tendo sido seleccionado para a Força Aérea (FAPA) e encaminhado para a Base Aérea do Negage, no Uíge. Seguiu posteriormente para a ex-URSS onde se formou em pilotagem de aviões caça. Mal regressou  ao país, juntamente com outros jovens , participou como piloto de combate na defesa do solo pátrio, tendo sido destacado para várias missões.
   

 Era um dos pilotos mais versáteis da FAN. Voava tanto  nos caças MIG-21 (Mikoyan-Gurevich) aeronave para combate aéreo e ataque ao solo, bem como como nos SU-22 (Sukhoi)  caça-bombardeiro de ataque ao solo. As suas façanhas como piloto ficam gravadas nas páginas mais brilhantes de heroísmo dos anais da Força Aérea Nacional e da antiga FAPA.

 

     Com o advento da paz em 2002, por ordens dos seus superiores hierárquicos, passou a dar o seu contributo na formação da nova geração de pilotos angolanos e também como piloto de testes de aviões de combate, tendo sido nessa condição que sofreu o acidente que lhe ceifaria a vida.


     Embora o Estado-maio da FAN esteja a realizar um inquérito para apurar as verdadeiras causas do acidente, tomamos conhecimento que o Tenente-coronel "Murray", estava a cumprir na cidade do Lubango a missão de testar dois caças da Força Aérea Nacional. Na Quarta-feira terá testado o primeiro, com sucesso. No dia seguinte, na Quinta-feira, a meio da manhã, descolaria da pista da base aérea do Lubango, com o segundo aparelho, um SU-22, para o derradeiro vôo sem regresso. Ao verificar os problemas técnicos, "Murray" manteve a serenidade habitual e, em contacto com a torre de controle, de quem terá recebido ordens para ejectar-se, procurou manter o aparelho sob seu comando, com a intenção de  aterrisar, operação que não conseguiria realizar. Numa fracção de segundo a aeronave terá rodado sobre o seu eixo, colocando a cabine do piloto em posição contrária a de ejecção de emergência. Terá sido nestas condições adversas em que se verificou a  ejecção do "cockpit" do "Sukhoi"e o seu contacto com o solo.


    "Murray" ficou órfão de pai durante a infância. O seu progenitor,  António João Firmino, de quem recebeu o nome, era proprietário de um pequeno estabelecimento comercial, na serra do Pundo, perto do Bocoio (província de Benguela). Em 1975 o senhor Firmino foi assassinado por um grupo de homens armados que operava na região debaixo da bandeira de um dos movimentos nacionalistas angolanos.


    À sua extremosa mãe, tia Guilhermina Nunes Firmino (Boneca), aos seus irmãos Abílio, João, Yette, Tita apresento os meus respeitosos cumprimentos e sinceras condolências, bem como ao Estado-maior da Força Aérea Nacional (FAN).


    António Nunes Firmino ficará na nossa memória, como amigo exemplar, profissional e patriota íntegro, piloto experiente e competente. Deu toda a sua juventude e a própria vida engajando-se no que acreditava e amava.

    "MURRAY", PRESENTE!

     Que a tua alma descanse em PAZ companheiro!



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: