Já esta manhã a UNITA entregou o processo de impugnação das eleições na província de Luanda na Comissão Nacional Eleitoral. A decisão, disse à agência Lusa o porta-voz da União Nacional para a Independência Total de Angola, resulta da “evidência gritante” de “falta de transparência” do processo eleitoral na capital.

UNITA: impugnação das eleições

Adalberto da Costa Júnior afirmou que “tudo aponta para que o cenário que se viveu na sexta-feira foi premeditado e construído com o objectivo de levar a votação para dois dias”.

Em Luanda estão inscritos “mais de dois milhões” dos 8,3 milhões de eleitores de todo o país.

FNLA considera que os resultados “serão sempre duvidosos”

O presidente da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) considerou que o processo eleitoral “não tem credibilidade”. A CNE, acrescenta Ngola Kabango, “vai ter que aceitar e decidir com os partidos uma solução para salvar o processo eleitoral”.

“Estamos disponíveis para fazer um último apelo à CNE de forma a recuar na sua posição de não aceitar salvar as eleições de forma legal e legítima”, afirmou Kabango.

O presidente da Comissão Nacional de Eleições refutou um pedido da UNITA de repetição de eleições alegando que “menos de 10 por cento” das mesas de voto registaram problemas.

Caetano de Sousa justificou ainda a decisão por não existirem “condições materiais para fazer eleições em oito dias, o que é humanamente impossível”.

Hoje foram abertas 320 assembleias de voto em três municípios de Luanda para que o processo fosse concluído.

Observadores da UE insatisfeitos

A chefe dos observadores da União Europeia às eleições de Angola afirmou que “a lei foi violada porque o registo eleitoral não foi distribuído”.

Luísa Morgantini acrescentou que não é possível “dizer que o processo foi realizado de acordo com as regras”.

A responsável da UE apelou aos responsáveis angolanos para que tenham uma reunião com os observadores internacionais para discutir os problemas com a votação, marcada por atrasos e outras situações.
 
* João Relvas
Fonte: Lusa



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: