Luanda  - Três pessoas, incluindo um dos líder  da organização não governamental OMUNGA "em serviço na qualidade de observador dos direitos humanos de Africa", Jessy Lufendo, foram detidas pela policia nacional em Benguela neste sábado, 10, quando concetravam-se no largo da PEÇA, no sentido de protestarem contra a nomeação de Susana Inglês a presidente da Comissão Nacional Eleitoral, consequentemente exigir a sua exoneração.


Fonte: Club-k.net

Jornalistas entre os detidos

A manifestação era organizada por um grupo de jovens da cidade capital da província de Benguela e estava marcada para acontecer no principio da tarde deste sábado, e tinha o seu ponto de partida marcado para o jardim defronte a Escola 10 de Fevereiro, com culmino no jardim defronte ao mercado municipal " mais conhecido como jardim milionário"; mas o executivo de Benguela proibiu o evento a pretexto de não obedecer a lei. Segundo alegava na nota entregue quinta-feira aos organizadores o percurso escolhido encontravam-se duas sedes de partidos políticos, "no caso o MPLA" .


Em conferencia de imprensa o comandante provincial da ordem publica, superintendente-chefe Carlos Mota (na foto), a detenção deveu-se ao facto dos manifestantes terem sido proibidos pelo executivo a realizarem a marcha. nós como o garante da lei e ao serviço do Estado angolano e da segurança publica, tivemos de agir para evitar situações que podia por em perigo a segurança dos cidadãos benguelenses, sublinhou o oficial superior da policia nacional.


O superintendente-chefe Carlos Mota fez ainda saber que os detidos serão apresentados na próxima segunda-feira, 12, ao Ministério Publico e consequentemente apresentados ao tribunal para um julgamento sumario, sob acusação de crime de "arruaça".

 

Durante a conferência foram apresentadas formalmente os três manifestantes. Na ocasião Jessy Lufendo contou que foi detido por um agente da policia nacional que estava a paisana, que quase o violentou tendo ficado com os seus equipamento nomeadamente: Uma maquina de filmagem e de fotografia. O activista dos direitos humanos ao serviço da OMUNGA denunciou ainda que após a detenção foram conduzido a uma esquadra da policia nacional que fica no bairro 11 de Novembro e colocado numa cela " onde havia urina e cheira fezes" onde foram submetido a tortura psicológica.


Outra o detido que falou aos jornalistas foi o jovem Hugo Calumbo um dos rostos da organização que afirmou que agiram dentro da legalidade. Jovem aproveitou a ocasião para desmentir a informação postas a circular, segundo a qual estariam a agir a mando de partidos políticos. Nós estamos agir por vontade própria porque estamos cansado deste governo que não respeita os cidadão e muito menos a lei, sentenciou.


Antes da manifestação assistiu-se um ambiente pouco habitual na cidade capital da província de Benguela caracterizada pela presença em massa de agentes da policia, ou seja, das unidades caninas e anti-choque, o que gerou algum pânico, tendo mesmo alguns munícipes não saído a rua com medo de confrontações.


Entretanto o jornalista do Semanario do Folha-8, Israel Samalata havia sido também detido, mas livrou-se da cadeia após ter-se posto em fuga valeu-lhe a corrida e jornalista Nelson Sul colaboradores da voz da Alemanha teria sido detido nas instalações da policia de investigação criminal sob acusação de fazer parte do grupo de jovens que organizou a manifestação. O jornalista livrou-se  da cadeia graças a intervenção do porta-voz da policia nacional em Benguela, conhecido por Nogueira que confirmou a identidade do jornalista.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: