Lisboa – Agentes da  Polícia Nacional espancaram  na manifestação de sábado (10), um familiar do  general Helder Vieira Dias “Kopelipa”.  No seguimento da repressão, o Chefe da casa militar da PR, deslocou-se ao Comando Provincial da Polícia Nacional para fazer levantamento da situação.

Fonte: Club-k.net


ImageNão  está  claro se o mesmo deslocou-se ao comando da polícia  em função do espancamento do seu familiar  ou se foi por orientação do Presidente Jose Eduardo dos Santos para proceder ao levantamento da  repressão  perpetrada pela polícia Nacional contra os jovens manifestantes. Esteve também no comando da policia uma reportagem da RTP.


A repressão contra os jovens começou quando estes começaram a afluir ao local destinado a realizar a manifestação no Cazenga. No sentido de a impedir, um grupo de agentes da policia e  elementos da segurança a paisana, chefiados por Filipe Massala, o comandante municipal da policia no Cazenga dispersou os jovens com tiros e agressão precipitando a dispersão dos mesmos.


O mesmo aconteceu nas mediações do largo Primeiro de Maio. O regime despachou um grupo a civil que terão ferido cerca de trinta pessoas. O  rap  Luaty Beirão viu a sua cabeça ser partida enquanto que o jovem  “David” ficou com o tímpano rebentado em conseqüência de uma barra de ferro que os agentes do regime deram-lhe. De toda agressão, o caso mais sonante foi com o SG do BD, Filomeno Vieira Lopes que foi também brutalizado quando ia se informar sobre os feridos.  O político foi ferido na cabeça e partiram-lhe o braço devendo ser submetido a uma intervenção cirúrgica.


Por outro lado a Polícia Nacional tenciona por a circular a versão de que a agressão contra os manifestantes  resultou de uma briga entre dois grupos de idiologia diferentes. A campanha desta versão é coordenada  pelo comandante Filipe Massala e Nestor Goubel, porta-voz do comando provincial da policia.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: