Luanda - O PR, José Eduardo dos Santos (JES) recusou-se a sancionar um despacho do Ministério da Cultura cujo objecto era a atribuição do Prémio Nacional de Literatura 2007 à escritora angolana Paula Tavares; alegou atitudes maldizentes da mesma em relação a si próprio (em artigos de imprensa).

 

ImagePaula Tavares, que vive presentemente em Portugal, ainda não tinha sido oficialmente notificada da atribuição do galardão no momento em que o episódio da recusa de JES ocorreu. Mas admitia-se que tivesse conhecimento informal do mesmo, tendo em conta particularidades como a intervenção no assunto por parte de outras entidades. 

 

O expediente encontrado para ultrapassar o imbróglio consistiu em aproveitar uma viagem ao estrangeiro de JES (a Espanha, em Nov.2007) para que o despacho pudesse ser ratificado por Roberto de Almeida., presidente da NA, a exercer interinamente funções de PR. JES concordou tacitamente com o artifício. 

 

O Prémio Nacional de Literatura e outros no domínio das artes, foi instituído pelo Ministério da Cultura, que também o patrocina. A escolha dos premiados é, porém, da competência de um júri autónomo. JES não apresentou qualquer objecção ao nome de Paula Tavares quando foi posto ao corrente da decisão do júri.  A recusa da ratificação do despacho registou-se numa subsequente reunião do conselho de ministros. Após a apresentação do assunto pelo ministro da Cultura, Boaventura Cardoso, JES, embora ressalvando que nada tinha a opor à escolha do júri, disse que não assinaria o despacho por se tratar de "uma senhora que anda a dizer mal de mim".

 

Fonte: Africa Monitor

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: