Lisboa – A Ministra  da Comunicação  Social, Carolina Cerqueira  recuou nas medidas que previam a suspensão  dos Conselhos de Administração (CA) da TPA e a RNA, que deveriam ser substituídos por uma comissão de gestão cujos integrantes  foram    apresentados  como  supostas  propostas de autoria  do Secretario de Estado Junto a Presidência, Manuel Rabelais.


Fonte: Club-k.net

Suposta “orientação superior” causa mal estar

Conjentura-se que terá havido um mal  entendido, relacionado  a uma solicitação  que o gabinete presidencial fez  a Manuel Rabelais no sentido de propor nomes de elementos da comunicação social  para integrarem   uma comissão de estratégia para a campanha eleitoral,  a favor do  MPLA. A mensagem  foi erradamente  propagada de  que a presidência solicitou  nomes  para  as supostas comissões  de gestão  para TPA e RNA.   


Os  CA das empresas públicas são nomeados pelo chefe do executivo a margem do Conselho de Ministros sob proposta  da Ministra.  Por outro lado, foi constatado,  que se estava  diante de  suspensões  a revelia das autoridades com características de  diversão  visando   induzir a titular da pasta Carolina Cerqueira a caucionar   medidas   que  chegaram ao  seu gabinete em nome de uma suposta “orientação superior”.


O  constrangimento que as movimentações  provocaram,   deu lugar, na  segunda-feira, a noite,   a  uma reunião de emergência, na sede do MPLA,  dirigida por Dino Matross que  visou por a Ministra Carolina Cerqueira num frente a frente com  Manuel Rabelais,  para se apurar a origem da especulativa “ordem superior”.   Na  reunião estiveram   o porta-voz do partido  Rui Falcão , os assessores presidências, Aldemiro Vaz da Conceição e José Mena Abrantes. Foram também convocados, o  Director Nacional da Comunicação Social, José Luis de Matos e os responsáveis da TPA e RNA.  Na presença de todos, o  ex- Ministro Manuel Rabelais  jurou que nada tinha a ver com a autoria da suposta “ordem superior”  e que também  tinha sido apanhado de surpresa com as informações.


A reunião concluiu que   se estava diante de uma  “rasteira”  ao qual  ficou  reiterada a  permanência do CA de ambas as empresas públicas   cujos mandatos  deverão ser “somente” revistos  depois das eleições de 31 de Agosto.


O anuncio sobre o  afastamento das  chefias de ambas empresas,  provocou  ambiente de orfandade e pânico  nos referidos meios. António Henriques da Silva “Tony” chegou a convocar os trabalhadores  da TPA, na tarde do mesmo dia para  comunicar-lhes   que  a sua equipa estaria a cessar prematuramente  o mandato   por supostos “conflitos de interesses”.  Em reação, os funcionários moveram um abaixo assinado  a favor da sua permanência   ao qual  realçavam a sua importância para o referido  cargo.


Quem também se mostrou contraria ao afastamento da direcção da TPA,   é Tchizé dos Santos  ao qual lhe são atribuídas movimentações direcionadas  a  salvaguardar  o Conselho de Administração  desta  empresa, onde a mesma detém interesses.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: