Lisboa - Durante a sua visita privada no Reino de Espanha, observadores abalizados ao assunto, acreditam que o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, deverá manter um encontro discreto, de alto nível, com o principal responsável da INDRA sobre dossier "eleições angolanas".


Fonte: Club-k.net

Edeltrudes Costa também partiu para Espanha

Na noite de 27 de Junho, uma delegação angolana da CNE chefiada por Edeltrudes Costa, ex-vice-presidente da CIPE, e actual homem de mão de Eduardo dos Santos, também partiram para a Espanha, afim de acertar com a INDRA a feitura dos boletins de voto e outros elementos da logística eleitoral para o dia 31 de Agosto.


A INDRA é conhecida pelo público angolano como a empresa espanhola ao qual o Presidente    Eduardo dos Santos contou, em 2008, na estratégia de alteração dos resultados eleitorais culminando com a manipulação de boletins de voto, organizar a “desorganização” no dia do voto que serviu para a ardil victoria do MPLA.


Na altura, segundo o extracto do contrato tripartido então assinado, e o Club-k torna público, as autoridades obrigaram a INDRA a juntar-se a uma empresa angolana, a Valleysoft que serviu de testa de ferro.


JES que denota ter assumido de perto o controle do processo eleitoral (por via de Edeltrudes Costa) voltou a contratar a INDRA para fabricar os boletins de voto para as eleições de 2012. Desta vez, o regime optou por infiltrar seus especialistas naquela empresa espanhola, descartando a mediação da Valleysoft. Pelo menos dois generais foram “desmobilizados” e passaram à reserva, por orientação de JES, para integrar a super estrutura da INDRA da logística eleitoral ao passo que 12 mil agentes do SINSE em todo país foram preparados para serem colocados nas assembleias de voto, como “supervisores logísticos”. Os mesmos foram “recrutados”  pela CNE no sentido de trabalharem um em cada assembleia de voto.

{edocs}http://club-k.net/images/pdf/CNEvalleysoft2008CONTRACT.pdf, 710, 600{/edocs}



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: