Lisboa –  O presidente José Eduardo dos Santos decidiu esta quinta-feira, 09, pôr de lado a máquina partidária do MPLA que estava a cuidar da sua agenda eleitoral por alegadas constatações que o exporiam ao ridículo.


Fonte: Club-k.net

Prepararam-lhe inauguração de obras inacabadas

O líder do MPLA, em conformidade com uma agenda sugerida pelo partido, previa partir esta sexta-feira (10) para a província do Huambo a fim de inaugurar duas obras nomeadamente, a barragem do Gove, localizada no município da Caála, e um centro cultural "Mbalundu", no Bailundo. Constava, igualmente, na sua agenda de deslocação ao interior do país, uma ida a província de Benguela para efectuar inaugurações a nova sede do CFB, no Lobito, e do aeroporto internacional de Catumbela.

Baseado num relatório produzido por um grupo de avanço, que trazia pareceres que lhe foram “desagradáveis”, o presidente cancelou as referidas viagem, decidindo ele próprio refazer a sua agenda de campanha eleitoral.

O caso mais dramático está em torno do aeroporto internacional da Catumbela, que segundo constatações, não se encontra ainda concluído (pista inacabada). As obras estão a cargo da brasileira Odebrecht e em consequência do sub-carregamento, teve de pedir reforço de outras empresas de construção Somague, Imbondex e Mota Engil que estão a trabalhar na pista. A Odebrecht ficou a fazer   acabamentos com realce ao sistema de iluminação e a área do parque de estacionamento. Há previsão de o presidente deslocar-se aquela província a 24 de Agosto, para a sua inauguração.

O desanimo que se atribuiu a JES face ao observado descuido da “ala do partido” é acompanhado de lamentações de figuras do circulo presidencial de que “pessoas do partido estariam a agir como se estivessem a conspirar”.

Mereceu também criticas do circulo presidencial, a forma como os dois altos dirigentes do MPLA, Rui Falcão e João Martins conduziram a conferência de imprensa de “carácter negativo” para fazer acusações, desnecessárias, aos partidos da oposição com destaque a UNITA que  tem estado a criticar a CNE por violar a lei. Ambos, os dirigentes do partido "não foram a altura de contrariar as posições do maior partido da oposição" e terão sido poucos convincentes (não apresentaram provas do que diziam ter), conforme conclusão de assessores de JES.

A conferência de imprensa do partido foi seguida de uma outra conduzida pela CNE com a mesma retórica que a do MPLA. A critica que se fez é que ambas as instituições reagiram no mesmo dia (09/08) e com o mesmo tema, deixou a sensação de que a CNE agiu sob instrução do partido no poder, acabando por “legitimar”, as denúncias da UNITA de que esta instituição é manipulada pelo MPLA.

JES é também descrito como tendo ficado abalado com as recentes declarações feitas pelo general Kundi Paihama, em Benguela, que ameaçou “varrer” quem tentasse contra o MPLA e o seu líder. Há conhecimento de que as declarações do general também causaram preocupação na comunidade internacional com destaque nas petrolíferas (registro de programação de saída do país dos seus quadros  por alegadas férias com regresso em Setembro; vôos  lotados).

O líder do MPLA é favorável a um ambiente eleitoral que seja visto como “exemplar”, porém tem sido prejudicado pela acção dos seus colegas de partido, dando, por outro lado, credibilidade as versões que circulam em Luanda, segundo as quais, em caso de uma manifestação da UNITA membros do seu partido ou da segurança de Estado colocariam infiltrados com camisolas deste partido da oposição, a causarem  desacatos pelas ruas, para de seguir culpar ou apresentar a UNITA como partido de “violência”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: