Luanda - Cinco contratos de investimento, avaliado em 118 e 800 mil dólares,  foram assinados segunda-feira), na  Agência Nacional de Investimento Privado (ANIP).


Fonte: Angop/Economico.pt

Trata-se de projectos de investimento das empresas Lucky Line, Snecou Group-Angola, Pratiker, Continente Portugal/ Angola e Jsy-Angola, provenientes da Mauritânia, Nigéria, Turkia, Angola e China, rubricados  pela presidente da ANIP,  Luísa Abrantes


Segundo a presidente da ANIP, os contratos assinados hoje têm grande significado para os angolanos, tendo em conta o número de postos de trabalho que vai garantir, um total de dois mil 251 cidadãos.
 

Os contratos assinados estão direccionados para os sectores de construção civil, indústria e comércio.
 

Garantiu que as empresas que assinaram os contratos entraram em funcionamento ainda este ano.
 
O represente da empresa Continente Portugal/Angola, Vasco Rites, com um investimento avaliado em 102 milhões 900 mil dólares para o sector do comércio, disse que pretende abrir cinco lojas para a comercialização de diversos produtos.

Sonae vai abrir pelo menos cinco Continentes em Angola


O grupo Sonae assinou esta segunda feira  com a Agência Nacional de Investimento Privado (ANIP) um contrato de investimento em Angola.


O grupo Sonae assinou hoje com a Agência Nacional de Investimento Privado (ANIP) o contrato de investimento em Angola que vai ditar a abertura de, pelo menos, cinco hipermercados da marca Continente no mercado angolano.


Fonte oficial do grupo liderado por Paulo de Azevedo revelou ao Económico que "confirma-se que foi dado mais um passo no projecto de Angola. Agora iremos actualizar o plano de negócios de forma a prosseguir com o projecto já anunciado ao mercado".


A assinatura do contrato surge mais de um ano depois de o grupo liderado por Paulo de Azevedo ter fechado uma ‘joint-venture' com a Condis, da empresária angolana Isabel dos Santos, na qual tem uma participação de 49%.


No âmbito do acordo, o grupo português pretende investir cerca de 79,6 milhões de euros (cerca de 102,9 milhões de dólares) naquele país africano, sendo que as primeiras lojas deverão estar a funcionar já no próximo ano. No final da cerimónia, o representante da Sonae, Vasco Rites, adiantou aos jornalistas que o projecto prevê a abertura de cinco grandes superfícies.


Recentemente Paulo de Azevedo avançou ao Diário Económico que o objectivo de entrar em Angola mantinha-se como estratégico, pelo que "gostávamos que acontecesse [a abertura dos hipermercados] o mais rapidamente possível".



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: