Menongue — Vinte e sete elementos da Casa Militar na província do Kuando Kubango, foram expulsos da corporação alegadamente por motivações políticas, mas os implicados ameaçam realizar uma manifestação por considerarem injusta a sua demissão. Os implicados são ex-militares do Galo Negro que ingressaram naquela unidade no âmbito dos acordos de paz de Luena, enquanto, outros são jovens que haviam solicitado emprego e agora são conotados com o maior partido na oposição.

Fonte: VOA

Alguns despedidos disseram à Voz da América que a expulsão ocorreu no dia 13 do corrente quando o comandante da unidade, Manuel Correia, concentrou os militares em parada, tendo apresentado uma lista de efectivos da unidade que segundo ele não cumprem com o regulamento militar.

Um coronel proveniente da UNITA, que também foi expulso, referiu que durante a campanha eleitoral, o comandante já tinha advertido que os militares que estivessem filiados na oposição iriam ser despedidos após as eleições.

Segundo a mesma fonte, poucos dias depois da formação do novo governo as ameaças foram consumadas e o comandante simplesmente alegou que estava cumprir ordens superiores.

O coronel disse que o Destacamento Central de Protecção e Segurança da Casa Militar da Presidência da República,  criado em 2004 para garantir a protecção dos projectos de reabilitação de infrastuturas em todo o país, sob tutela do então Gabinete de Reconstrução Nacional (GRN) afecto à Casa Militar e dirigido pelo General Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”, passou a proteger as infrastuturas em reabilitação, as empresas e a mão-de-obra chinesas.

O coronel, de 57 anos de idade, passou toda sua vida na guerra, diz  hoje está a ser marginalizado e não  tem meios para sustentar a sua familia. A VOA não conseguiu apurar se o despedimento daquele afectivo estaria relacionado com ameaças de morte que o antigo secretário da UNITA no Kuando-Kubango, Daniel Cassela “Liberdade”, que há um mês abandonou o partido para aderir ao MPLA, recebeu na sua residência, na zona urbana da cidade de Menongue.

A carta anónima teria supostamente saído de militares de Casa Militar, após o mesmo ter realizado um comício naquela unidade, afirmando que era necessário acabar com o maior partido na oposição.

Nos termos da Constituição angolana é proibido aos militares no activo o exercício de quaisquer actividades político-partidárias. A constituição estabelece o carácter apartidário das Forças Armadas Angolanas (FAA) e, por consequência, dos militares no activo. Em Agosto de 2012, durante abertura da campanha  eleitoral  do MPLA, a imprensa angolana fotografou no acto, o  general Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”,  na altura , ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República. Foi apresentado um Kopelipa trajado com t-shirt  do partido no poder.

A VOA tentou sem sucessos ouvir a Casa Militar no Kuando Kubango.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: