Lisboa - A Justiça brasileira condenou o presidente da Câmara de Salto de Pirapora, Joel David Haddad, por ter dado emprego às duas filhas, ao nomeá-las para cargos da administração local não sujeitos a concurso público.


Fonte: CM

Para cargos da administração do Estado

De acordo com a decisão da juíza Tamar Oliva de Souza Totaro, o autarca cometeu o crime de nepotismo, ou favorecimento de familiares, e feriu o princípio da moralidade da administração pública.


Haddad foi condenado a pagar uma multa equivalente a 30 vezes ao ordenado das filhas, deve ser cessar funções e fica ainda inibido de se candidatar a cargos públicos nos próximos quatro anos. Contudo, a sentença, ditada por tribunal de primeira instância fica suspensa em caso de recurso e Jaqueline Haddad, uma das filhas favorecidas pelo autarca e sua defensora, já anunciou que vai recorrer.


Esta foi a segunda decisão sobre o mesmo caso. Na primeira, em Setembro de 2011, Jamile e Jaqueline, as duas filhas de Haddad, tinham ficado obrigadas a abandonar os respectivos cargos. Mas, um ano depois, o jornal ‘Cruzeiro do Sul’, apanhou Jamile a trabalhar na área em que era directora.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: