Luanda – A ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, admitiu nesta quinta-feira, 22, em Luanda, haver insuficiência de condições em Angola para o desenvolvimento do teatro, um exercício que vai precisar o estabelecimento de parcerias.

Fonte: Angop

“De facto há um movimento gigantesco na cidade de Luanda para o teatro. Todos os dias apresentam-se grupos de teatro, recebemos solicitações de jovens, das comunidades do interior de Angola, onde esta juventude quer fazer teatro. Mas infelizmente ainda não temos todas as condições para exercer a actividade de forma adequada”, afirmou a governante.

Falando na cerimónia de apresentação do IV Estágio Internacional de Actores Lusófonos, que conta com o apoio da União Europeia, através do Programa África Caraíbas e Pacífico (ACP –Cultura), destacou a importância da iniciativa, uma vez que há muito que reclamavam por essa parceria.

“Num momento difícil como este em que a Europa está, a   União Europeia tem destacado verbas para a cultura e sobretudo para que ela possa firmar-se a nível dos países de língua portuguesa em África e não só”, expressou a governante.

No quadro do domínio da formação, referiu que há teatro em vários pontos de Angola e nota-se uma certa disponibilidade de jovens em quererem desenvolver a arte, apesar da insuficiência de quadros para o efeito.

Nesta senda, disse que o desenvolvimento cultural, sobretudo do teatro, exige outras valências, como o domínio da dramatologia, que exige um trabalho árduo para que esta categoria possa conhecer novo rumo e mais adeptos.

Para si, o IV Estágio Internacional de Actores, em que Angola será representada pelo “Elinga Teatro”, além do Brasil, Guiné-Bissau, Portugal e São Tomé e Príncipe, vai responder também algumas dificuldades na área de teatro e outras artes. Assim, o Ministério da Cultura, no quadro das suas dificuldades, vai insistir em manter parcerias do género.

O IV Estágio Internacional de Actores Lusófonos vai envolver um total de 13 artistas dos países acima referidos e vai decorrer até 2014, com o envolvimento de entidades oficiais e organizações não-governamentais. Os trabalhos estão a ser liderados pela Associação Portuguesa para Intercâmbio Teatral de Portugal.

A cerimónia da apresentação deste projecto internacional decorreu numa das salas de conferências do Centro de Imprensa Aníbal de Melo, onde estiveram presentes o representante da União Europeia, Miguel Varela, o presidente da Associação Portuguesa para o Intercâmbio Teatral, Augusto Barros, o director do Elinga Teatro, José Mena Abrantes, entre outros convidados.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: