Luanda  - “Augusto sou eu, não morri”, foi nestes termos que o cidadão dado como morto pela TPA se dirigiu aos jornalistas na última segunda-feira 21 de Janeiro de 2013. Damião Kapaka Augusto disse lamentar que um assunto de negócio se tenha transformado num assunto político.


*Ana Margoso
Fonte: Facebook

TPA insinuou  que foi morto por um general da  UNITA

“Eu não sou político, eu sou cidadão”, esclareceu, adiantando ter combinado com o senhor Chitombi a comercialização de pedras de diamente, tendo aquele feito a primeira prestação de 10.000 dólares na presença de Carlota Tekassala e de seu marido.


Na sua conversa com os jornalistas, Damião Kapaka Augusto acusou Carlota de se ter aproveitado da sua ausência para estorquir dinheiro ao General Chitombi.  Afirma que após ter se ausentado para a RDC em tratamento médico de sua esposa, Carlota Tekassala entrou em cena, cobrando dinheiro em nome de Augusto a quem passou a chamar de seu gerente.


“Eu nunca fui gerente de Carlota”, desmente, sublinhando, entretanto, conhecer nas suas lides de negócio no Andulo.


Alega que quando chegou à Luanda, proveniente da RDC, soube por intermédio de um outro seu conhecido Patrick, que Carlota foi recebendo dinheiro do general Chitombi, alegando que Augusto era apenas seu gerente e que a proprietária das pedras preciosas era ela.


O assunto começa a ter contornos estranhos a partir do momento em que Carlota Tekassala instou Augusto a se manter escondido longe dos olhares de pessoas conhecidas, para que prevalecesse a versão segundo a qual Augusto gerente de Carlota Tekassala teria sido morto por Isaías Chitombi.


A trama custaria 1,5 (milhão e meio) de dólares ao general Isaías Chitombi. Após ter negado a orientação de Carlota Tekassala, Augusto começou a receber mensagens telefónicas com ameças de morte o que levou a denunciar o facto junto da DINIC – Direcção Nacional de Investigação Criminal.


Para a sua surpresa, o infelez recebeu no dia 27 de Dezembro de 2012, visita de agentes da polícia nacional que o prenderam e levaram para as instalações da DINIC onde, segundo conta foi submetido a uma sessão de interrogatório que decorreu das 18H00 às 00H30 do dia seguinte.


“Depois de interrogatórios com purrada me meteram na cela, dormi na cela me bateram, obrigando-me dizer que Augusto não sou eu, obrigaram-me a pedir desculpa à familia do Augusto. Mas como é que vou pedir desculpa a família, se Augusto sou eu”, declarou.


O cidadão contou, ainda que depois daquele epsódio suspeito voltou para a sua casa por volta das 17 horas, tendo no dia seguinte recebido outra delegação que se fazia transportar num carro, com jornalistas da TPA.


“Veio um chefe dizer que nós viemos aqui para te filmar (…) tem que dizer que Augusto não é você”, explicou o cidadão, sublinhando que com o evoluir das coisas começa a temer pela sua vida.

“A minha vida está em perigo”, afirmou categórico.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: