Lisboa – O chefe do Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE), Sebastião Martins, tem em carteira planos para a construção de uma nova sede para instituição que dirige, que possivelmente será erguida, de raiz, nas redondezas da centralidade do Kilamba, no município do Belas, em Luanda.

Fonte: Club-k.net

A nova sede deverá ser, em termos de dimensão, superior que a erguida pelo Serviço de Inteligência Externa (SIE), no bairro Camama, no mesmo município, e será orçada em cerca de 26 milhões de dólares norte-amercanos (equivalente em kwanzas 2.633.110.304.00).

Há poucas semanas atrás, o SINSE despachou uma equipa de técnicos para o local a fim de fazer levantamento de últimos detalhes.

O SINSE (a sua direção) funciona actualmente em três edifícios no distrito de Ingombota, município de Luanda, que se situam no mesmo perímetro. Possui também discretas residências, arrendadas, em algumas localidades que operam como gabinetes municipais, em Luanda.

Em função da construção da nova sede nos arredores do Kilamba, o chefe desta instituição de inteligência, Sebastião Martins, aprovou recentemente um plano para a reabilitação do edifício A do SINSE, orçado em 93.600.000.00 Kwanzas (câmbio actual: um dólar é 100 kzs).

Ainda para o corrente ano, a direcção de Sebastião Martins programou a construção, nos arredores do município de Viana, de um centro de processamento de dados no valor de 21.000.000.00 kwanzas;  a construção de instalações operativas na ilha do Mussulo no valor de 16.000.000.00 Kwanzas  e, um centro regional de apoio de actividades no município de Belas que custará a instituição cerca de 15.600.000.00 Kwanzas.

O SINSE tinha planos de erguer um hospital para os seus trabalhadores no Rangel ao qual o executivo teve de alterar em função de uma recente interpelação da bancada parlamentar da UNITA, na Assembleia Nacional, a margem das discussões do Orçamento Geral do Estado (OGE). Decidiu-se que a unidade hospitalar beneficiará todos os trabalhadores do ministério do Interior. A verba para está construção será de 1.027.425.919.00 kwanzas.

Por outro lado, não são conhecidas as empresas que serão contratadas para erguer as enumeradas construções levadas a cabo pelo SINSE. Os dirigentes angolanos tem a reputação de colocarem empresas sem concursos públicos e na maioria das vezes colocam as suas próprias empresas a prestarem serviços para as instituições em que os mesmos dirigem. Constituindo assim, conflitos de interesses.

Em Maio de 2010, veio a pÚblico por via de uma investigação do jornalista Rafael Marque que o então presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Manuel Vicente, era sócio qualificado da empresa de construção Grinaker LTA, que ergueu o edifício sede do grupo e que está a erguer a sede da Sonangol Pesquisa e Produção.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: