Lisboa – A má gestão associado com a greve protagonizada no ano transacto pelos trabalhadores da empresa estatal de Telecomunicações e Multimédia “Angola Telecom”, obrigou o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, a exonerar – há escassos dias, por um decreto – cerca de cinco (dos nove) membros do Conselho de Administração (CA).  

Fonte: Club-k.net

Trata-se do presidente do Conselho de Administração, Feliciano António, e mais quatro administradores nomeadamente, Álvaro António de Brito Alves, Maria Luísa Correia de Carvalho, Isilda Samba Marques da Silva e Miguel Gaspar Cardoso.

Noutro decreto presidencial, José Eduardo dos Santos nomeou João Adolfo Martins (do antigo CA) como o novo PCA de Angola Telecom. Na mesma senda foram reconduzidos ainda como administradores, Naiole Cristina Cohen dos Santos Guedes, Pedro Domingos Cardoso e Manuel António.

Neste elenco, JES apenas acrescentou um novo administrador que responde pelo nome de João António da Silva Domingos. Perfazendo assim um total de cinco membros (do novo CA), contra os nove anteriores.  

De enfatizar que no passado dia 08 de Novembro do ano transacto, a polícia angolana usou toda brutalidade e outros meios de intimidação para tentar dispersar os trabalhadores de Angola Telecom, que se encontravam em greve. Os mesmos reivindicavam por um aumento salarial.

Os grevistas – que até agora – dizem-se agastados com as disparidades entre os salários que auferem os membros do conselho de administração e dos trabalhadores de base.

O ambiente interno tenso passou-se a registar, na Angola Telecom, após a entrada em funções do conselho de administração ora exonerado. Na altura, os novos administradores tinham aumentado os seus salários para quase o dobro. Enquanto que trabalhadores, em geral, não viam aumentados, há 7 anos, os seus ordenados.

Os novos administradores eram quase todos directores da empresa (com um vencimentos base entre 230.000/480.000 Kz), funções no exercício das quais não gozavam da simpatia dos trabalhadores, por diferentes razões. O antigo PCA, Feliciano António, auferia na altura cerca de 1.237.000 Kwanzas (equivalente a mais de 12 mil dólares).

Nesta segunda-feira, 18, o ministro da Economia, Abraão Gourgel, empossou, em Luanda, o novo Conselho de Administração da Angola Telecom. Foram empossados João Adolfo Martins, no cargo de presidente do novo Conselho de Administração e Naiole Cohen dos Santos, Pedro Domingos Miguel, Manuel António e João António da Silva Domingos para exercerem as funções de administradores desta empresa angolana.

Ao intervir no acto, o ministro da Economia, Abraão Gourgel, encorajou os recém empossados a trabalharem no sentido de tirar a empresa da situação em que ainda está mergulhada e levá-la a ser aquilo que o plano de negócios aprovado no ano transacto espera. “Nós esperamos que a empresa volte a ser superavitária, que tenha lucros, que crie outras oportunidades de negócios para outras empresas e que possa ser uma empresa líder entre as empresas públicas angolanas. Esperamos também que ao nível da organização se continue a aprofundar os êxitos que já foram alcançados neste período de reestruturação em curso”, asseverou.

Por sua vez, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, que também participou na cerimónia de empossamento, fez saber que a nova administração conhece o processo de reestruturação da empresa, iniciada em 2010, pelo que já existe uma base substancial para continuar-se o trabalho. “Por isso, estaremos nós aqui para monitorar e dar todo o nosso apoio para que a Angola Telecom seja um verdadeiro contribuinte do Orçamento Geral do Estado(OGE) e a mãe das empresas do nosso sector”, salientou.

Angola Telecom é uma empresa pública de telecomunicações e multimédia de Angola fundada em 1992 como resultado da fusão das empresas estatais ENATEL e EPTEL.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: