Welwitcha José  dos Santos Pego  milita no “Cab18” do município da Maianga, onde vive. O referido comitê tem como  primeiro Secretario  o Vice Ministro da comunicação social, Miguel de Carvalho “Wadjimbi”. Nele militam figuras como Noberto Santos “Kwata Kanawa” e vários jovens filhos de dirigentes do MPLA.

A “dr Welwichia” como é respeitosamente tratada pelos guardas/motorista de casa iniciou no MPLA,  ao tempo da OPA, no ano de 1982 em que ingressou na escola primaria das madres no bairro nelito soares em Luanda. Mais adiante foi envolvendo-se em actividades culturais promovidas por sectores do partido, no bairro “cruzeiro”. Diz-se que também faz parte da célula dos militantes empresários.

Observador atento refere que não é melindroso considerar que ela tenham 26 anos de “militância” por na altura ser uma garotinha que nada percebia de ideologia partidaria mas podesse, afirmar que ela  “esta a 26 anos no MPLA”. (Irene Neto filho de Agostinho Neto entrou com 8 anos, a partir da Tanzania onde viviam os filhos do dirigentes do MPLA).

Pronunciamentos de Tchizé dos Santos, na imprensa privada dão conta que a sua entrada terá sido impulsionada por um empurrão embora haja versão tendenciosa insinuando  que foi mesmo forçada/induzida  pelo grupo de bajuladores do MPLA. Evidencia: Segundo ela, ao Novo Jornal “Eu nem sequer havia pensando em ser deputada, aceitei um convite do meu partido, o MPLA, e aqui estou. Vou fazer tudo, para não defraudar aqueles que em mim depositaram a sua confiança, mas fazer carreira política...não, ainda não sei”

Indicadores apontam que a nova deputada passou a ter a bênção das “mamas da OMA” por avaliações consideradas plausiveis ou por mérito próprio.  Evidencia: Semanas antes das eleições Welwitcha dos Santos encontrou-se, no restaurante XL com mulheres do sector empresarial do MPLA tendo recebido luz verde, como se que quisessem dizer “filha vá em frente nos te apoiamos”.
Factos verificados/constado “in loco”:
- Escusou-se apresentar como filha do “camarada” Presidente
-  As Senhoras tomaram como acto de simplicidade/respeito o facto de ela ter  tratado as senhoras por  “Tia”
- Deram lhe a palavra para proferir. A deserção comoveu as senhoras sobretudo por deixar indicadores de que iria bater-se pela juventude.

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: