Lisboa – Manuel Vicente, o vice-presidente da República estará com os mesmos sintomas de doença que levaram o seu antecessor Fernando da Piedade Dias dos Santos “Nandó”, a não fazer parte das contas do alto magistrado da nação, José Eduardo dos Santos.

Fonte: Club-k.net

Deslocou-se discretamente a Londres

http://club-k.net/images/stories/m%20vicente.jpgNa véspera da nomeação dos  novos  ministros  (construção e finanças),  o mesmo teria se ausentado discretamente  do país rumo a Londres  por causa da sua tensão que teria subido e que no seu entender  requisitaria atenção do seu medico para normalizar.


Nos anos anteriores, o  seu antecessor Fernando dias dos Santos “Nandó”  deslocava-se em três em três mês a Londres para cuidar  também do seu problema de tensão arterial.  Tal como faz  Manuel Vicente,  “Nandó”  também viajava discretamente sem fazer uma comunicação pública. Passou a comunicar ao país   após terem surgirdo especulações a seu respeito com realce a um rumor que o dava como socumbido na Inglaterra.  Mudou de atitude (Passando  a comunicar ao público)  após terem surgirdo especulações   de que teria  sucumbido, em Londres.


No seguimento da escolha de um sucessor constitucional para a Presidencia da Repúlica foi invocado que  Piedade Dias dos Santos “Nandó” estaria fora dos cálculos de Eduardo dos Santos devido aos problemas de saúde que o levavam a ausentar-se constantemente do país.


Em Angola, há indicações que oestado da saúde dos governantes é mantida  em segredo por alegadas motivações de privacidade. Porém, em vários países do mundo, existe o conceito de que  a vida dos titulares de cargos públicos ou “ex- lideres” devem  ser do conhecimento do povo por terem sido estes que os elegeram e as suas vidas estarem sob dependência mutua.

Na  África  do Sul, o estado de saúde do antigo Presidente Nelton  Mandela é comunicado regularmente ao povo sobretudo sempre que é internado. O governo Venuzuelano fazia o mesmo com o estado de saúde do falecido presidente  Hugo Chaves quando se deslocava a Cuba para tratar do seu câncer.


Em 1979, morreu o primeiro presidente de Angola e até aos dias de hoje não se sabe  as razões exactas que levaram a sua morte, em Moscovo.  Na antiga  Uniao Sovietica, onde o regime do MPLA se inspirava, o antigo presidente,  Konstantin Chernenko, faleceu a 10 de Março de 1985  aos 73 anos de  idade e o seu povo apenas ficou a saber que que não tinha chefe supremo passado mais de três semanas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: