Lisboa - O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou nesta terça-feira, 02, o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A decisão "é irrevogável", adianta o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros num comunicado enviado à imprensa.

Fonte: Lusa

Portas apresenta demissão por contestar nova ministra, Governo em risco. Paulo Portas contesta a escolha de Maria Luís Albuquerque para a pasta das Finanças, depois de a saída de Vitor Gaspar, com quem tinha "conhecidas diferenças políticas", "permitir abrir um ciclo político e económico diferente", sublinha o líder do CDS/PP.

"A escolha feita pelo primeiro-ministro teria, por isso, de ser especialmente cuidadosa e consensual.(...) Expressei, atempadamente, este ponto de vista ao Primeiro-Ministro que, ainda assim, confirmou a sua escolha [de Maria Luís Albuquerque]. Em consequência, e tendo em atenção a importância decisiva do Ministério das Finanças, ficar no Governo seria um ato de dissimulação. Não é politicamente sustentável, nem é pessoalmente exigível".

"O Primeiro-Ministro entendeu seguir o caminho da mera continuidade no Ministério das Finanças. Respeito mas discordo", adiantou.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, apresentou segunda-feira o pedido de demissão e vai ser substituído pela sua secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, que tem tomada de posse marcada para as 17:00 no Palácio de Belém, em Lisboa.

Numa carta enviada ao primeiro-ministro, Vítor Gaspar admitiu ter pedido duas vezes a demissão do Governo, em 2012 e já em 2013, e justifica a sua saída com a falta de "mandato claro" para concluir atempadamente a sétima avaliação da 'troika'.

Portas adianta que, em dois anos de governo, "protegeu até ao limite das suas forças o valor da estabilidade", mas "a forma como, reiteradamente, as decisões são tomadas no Governo torna, efectivamente, dispensável" o seu contributo.

O comunicado termina com um agradecimento aos colaboradores no Ministério dos Negócios Estrangeiros e colegas de Governo, "sem distinção partidária".



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: