Lisboa – Manuel António Rabelais, antigo ministro da Comunicação Social, voltou a ser citado em praticas inadequadas, no termo da transparência que se consubstanciam  no favorecimento de fundos públicos para fins pessoais.

Fonte: Club-k.net

PGR engaveta processo de Manuel Rebelais

Agora nas vestes de director do Gabinete de Revitalização e Execução da Comunicação Institucional e Marketing de Administração, abreviadamente designado «GRECIMA», este dirigente do MPLA é acusado de estar aplicar o principio de “cabritismo” nesta instituição junto ao gabinete presidencial, para proveito próprio.

A denuncia é apoiada em dados segundo as quais duas empresas conotadas a um dos seus filhos, estariam a prestar serviços junto ao GRECIMA, em violação a Lei da Probidade. Tratam-se da SRMIA, gás e combustível que cuida da manutenção dos geradores e viaturas daquela instituição e a INOVCLEAN - Prestação de Serviços, com sede na rua Topografia Mamã Tita, n. 49/RC, Ingombota-Luanda.

De acordo com explicações das fontes deste portal, a parceria entre as duas citadas empresas privadas e o GRECIMA podem ser declaradas promiscuais, tendo em conta que Manuel Rabelais esta proibido, pela Lei de Probidade, de ser sócio privado com a instituição que dirige.

Em Novembro de 2009, no seu discurso de abertura da XV sessão do comité central do MPLA, o presidente José Eduardo dos Santos declarou "tolerância zero" contra membros do seu regime. Desde então nenhum membro do executivo foi penalizado.

Manuel Rabelais, que ao tempo ministro da Comunicação Social teve processo com a  justiça por desviar fundos públicos, foi agraciado com o cargo que agora ocupa e o o seu processo judicial foi engavetado pela Procuradoria da República por alegadas “ordens superiores”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: