Namibe – O Governo da província do Namibe é acusado de ser responsável pela morte de três membros da mesma família, supostamente vítimas de asfixia, 24 horas depois do realojamento forçado. Trata-se da professora Maria Esperança Júlio, Edna Olisa Pinto Xavier e uma criança de tenra idade, de nome Dorivaldo Dala.

Fonte: Voa
O acto ocorrido no passado dia 28 de Julho, numa residência onde foram realojados compulsivamente, segundo revelação de Osvaldo Júlio Xavier, filho, irmão e tio das vítimas

Osvaldo Xavier disse que família foi desalojada à força  por “homens das obras públicas” que disseram que cumpriam “a ordem do governo provincial em desaloja-los”.

Xavier alega que foi usada violência para forçar a família abandonar a casa que terá sido espoliada por governantes da província. Foram depois levados para uma outra habitação numa zona salubre “com fezes e mosquitos” e a família foi encontrada morta no dia seguinte

Segundo  fontes das autoridades a família morreu devido aos gases nocivos de um gerador na habitação para onde foram conduzidos. Osvaldo Xavier diz que a família nunca teve um gerador que foi ali colocado pelas autoridades.

O familiar das vítimas disse a casa era herança  de Francisco Xavier Tchisuleno, antigo combatente e ex-comandante adjunto da ODP no Namibe, na era do mono-partidária, falecido em 1999, conforme documentos em sua posse, que confirmam a titularidade do imóvel pago ao estado no âmbito do processo de venda de residências.

A malograda Maria esperança Júlio, que em vida era tratada por “professora Esperança” é  natural do Moxico, onde foi guerrilheira do MPLA durante muitos anos e no Namibe, além  da docência foi igualmente, directora da escola Bom Deus e membro activo da OMA, organização feminina do partido no poder.

O filho revoltado questiona o sofrimento concedido pelos seus pais enquanto guerrilheiros do MPLA, nas chanas do Leste e o seu envolvimento como músico do “M” durante as campanhas eleitorais do partido no poder.

Ele lançou um apelo as instituições nacionais e internacionais dos direitos humanos para um patrocínio em assistência judiciaria, visando levar o governo da província do Namibe a tribunal pela morte de seus ente-queridos e apropriação ilícita da residência familiar, consumada no passado dia 28 de Julho. E as autoridades governamentais, negam prestar qualquer esclarecimento a volta do sucedido.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: