Kwanza Norte – Estudantes de todos os níveis de ensino, bem como a população em geral, residentes na cidade de Ndalatando, província do Kwanza Norte, abortaram no passado dia 16/09, uma palestra que versaria sobre a “vida e obra de António Agostinho Neto”, primeiro presidente da Angola independente.

Fonte: Club-k.net
O referido colóquio teria lugar no cine Ndalatando, localizado no centro daquela pequena cidade, e contaria com a dissertação do experiente escriba das edições Novembro, José Luís Mendonça, que viu a sua estadia em vã naquela urbe que também é actualmente apelidada como sendo “a cidade da Rosa de Porcelana”.

O evento estava inserido no programa provincial das actividades alusiva as jornadas do 17 Setembro, cujo acto político provincial aconteceu no histórico município de Samba Caju, a 102 quilómetros de Ndalatando, onde ficou marcado como a tradição das inaugurações de alguns empreendimentos de impactos sociais.

Curiosamente, a imprensa pública local nem se deu o trabalho de transmitir tal informação que, mais uma vez mereceu cartão vermelho, da nova geração que preferiram gorar este simpósio que fez movimentar pessoas de gabarito a partir de Luanda para o Kwanza Norte e não só.

De acordo com a nossa fonte, afirmou que vem tornando-se um mau hábito naquela região de Angola sacrificar aulas dos estudantes de diversas escolas locais, até mesmo do ensino superior principalmente os do período matinal tem sido vítimas desta prática para atender os caprichos políticos do regime no poder, onde normalmente uma ou mais pessoas são vistos com as cores do partido no poder, mas desta vez parece houver erro de protocolo por parte da comissão das festividades da efeméride e a tão esperada palestra não teve lugar.

A nossa reportagem tentou ouvir o professor David João Buba, director provincial da cultura local, que por sinal foi um dos notabilizados membros da comissão preparatória das festividades, para mais detalhes sobre o assunto mas sem sucesso.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: