Paris – Com o apoio de uma organização filantrópica portuguesa, a Fundação 27 de Maio prevê lançar no próximo dia 10 de Dezembro do corrente, nas cidades de Luanda (Angola), Lisboa (Portugal) e Paris (França), a sua mais recente obra intitulada “Matadores do 27 de Maio”, soube este portal noticioso junto de uma fonte daquela organização não governamental.

Fonte: Club-k.net

De acordo com a nossa fonte, a referida obra esta ser traduzida, neste preciso momento, em cinco línguas nomeadamente, português, francês, inglês, espanhol e alemão, será comercializa a preço de 1000 kwanzas, em Luanda, e 7 euros nos países europeus. “Reservaremos alguns exemplares para ofertar em algumas figuras ligadas a nossa praça e aos estudantes com pouco rendimento”, avançou.

Como é sobejamente sabido que no início deste ano, os responsáveis da Fundação 27 de Maio, os generais Silva Mateus e José Fragoso, chegaram de anunciar repetidamente, através dos programas radiofónicos “Zwela”, da Rádio Despertar, e “Angola Fala Só” da Voz de América, o lançamento da obra em questão.

“Tal como prometemos no início deste ano através da imprensa angolana e não só, a Fundação 27 de Maio vai dar a conhecer aos angolanos e a comunidade internacional, através deste livro, os rostos e nomes de algumas pessoas que tiveram, voluntariamente, ligada a este genocídio que provocou à morte a mais de 80 mil angolanos em todo território nacional”, relembrou a fonte.

O livro “Matadores do 27 de Maio”, segundo a fonte que vimos a citar, começou a ser preparado desde os finais de 2011, em Luanda. “Pelo género da obra, esta ser um desafio muito grande para Fundação uma vez que algumas pessoas citadas são figuras ligadas ao actual regime (do MPLA) e ocupam grandes cargos públicos”, frisou.

Este portal soube ainda que a referida obra (que traz um total de 45 figuras na capa e contracapa, como ilustram as imagens) terá uma tiragem inicial de 100 mil exemplares (50 mil em português e 10 mil noutras línguas), igualmente trará o timbre de uma famosa editora portuguesa (cujo nome omitimos propositadamente a pedido da fonte).   

De recordar que no último dia 27 de Maio do corrente, o Bureau Político do MPLA tornou publico uma declaração, alegando o aproveitamento político do ocorrido a 27 de Maio de 1977 por parte de cidadãos que, não tendo estado directamente envolvidos nas acções à volta desses acontecimentos e das suas consequências, distorcem a verdadeira razão dos factos.

“Factos esses que o MPLA continua a omitir, pois os dois primeiros livros da Fundação 27 de Maio, e outros que já foram publicadas, retratam a mesma história. Se o BP do MPLA achar que é calunia então o desafiamos publicamente a dar a sua versão”, rematou.

Contra capa da obra:

 

 

 

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: