Luanda - O Fundo Soberano de Angola (FSDEA) anunciou na segunda-feira que o Governo de Angola nomeou a consultora Deloitte como Auditor Independente do Fundo, de forma a garantir o mais alto nível de transparência em todas as áreas de actuação do Fundo. O Fundo anunciou também a nomeação de Artur Carlos Andrade Fortunato, no FSDEA desde 2012, para membro do Conselho de Administração. O Dr. Fortunato supervisionará a gestão das estratégias de risco.

Fonte: FSDEA

O Ministro das Finanças da República de Angola, Armando Manuel, declarou que "a criação do Fundo Soberano de Angola visa apoiar o objectivo estratégico do Executivo de expandir e diversificar a economia nacional, criando infra-estruturas comerciais e fomentando o progresso económico e social. A recente nomeação de auditores independentes representa um marco importante no desenvolvimento do Fundo e reforça a sua responsabilidade perante o Estado e a sociedade civil. Através da construção de alicerces sólidos, o FSDEA poderá desempenhar cabalmente o seu papel no desenvolvimento socioeconómico do País."

 

José Barata, Partner da Deloitte, responsável pela área de auditoria ao sector financeiro, referiu: "A Deloitte está presente em Angola com um escritório em Luanda desde 1997, dando o seu contributo para o desenvolvimento das práticas de gestão e para a formação de quadros qualificados e, consequentemente, para o progresso económico do país. É hoje reconhecido pelo mercado que a auditoria às demonstrações financeiras é um processo fundamental, sendo o auditor um elo basilar entre as organizações e os seus stakeholders. Actualmente a Deloitte presta serviços a um número considerável de fundos soberanos, nos quais contribui para que sejam aplicadas as melhores práticas internacionais de prestação de contas. Gostaria ainda de referir que é com grande orgulho e satisfação que recebemos a notícia da nossa nomeação como auditor independente do FSDEA, sendo uma honra poder colaborar com esta grande organização que tem como missão promover o desenvolvimento social e económico de Angola e gerar riqueza para benefício das gerações actuais e vindouras".

A ratificação do Governo Angolano da Política de Investimento do FSDEA, no início deste ano, permitirá que o Fundo faça investimentos que sustentem o futuro económico a longo prazo do país, gerando riqueza e aumentando a prosperidade. O crescimento rápido do continente cria condições para retornos substancialmente maiores do que em certos casos de algumas economias maduras. A alocação de activos do Fundo prevê uma carteira de investimentos que pretende optimizar os retornos esperados por oposição ao risco esperado, ao longo de um horizonte de investimentos de longo prazo.

 

Tal como referido na Política de Investimento, o FSDEA irá atribuir cerca de metade da sua dotação inicial a investimentos alternativos, particularmente nos sectores da agricultura, mineração, infra-estruturas e sector imobiliário, em Angola e noutros mercados africanos, para fomentar um crescimento interno e regional sustentável. O restante da carteira de investimentos será alocado a instrumentos de renda fixa e de aplicações de tesouraria, emitidos por Estados, instituições supranacionais, acções globais e emergentes, assim como investimentos alternativos em mercados emergentes ao nível mundial. Em acréscimo, o Fundo dedica 7,5% da dotação ao desenvolvimento social e projectos de responsabilidade social nas áreas da educação, geração de rendimento próprio, saúde e acesso a energia e água potável fora da rede nacional de distribuição.

 

José Filomeno dos Santos, Presidente do Conselho de Administração, FSDEA, refere que: "O colectivo do FSDEA acolhe com grande satisfação a nomeação dos auditores externos independentes, para que se avalie de forma objectiva o trabalho que realiza. Continuamos comprometidos com as normas internacionais de conformidade, governação e transparência recomendadas para os fundos soberanos. A Deloitte reúne uma extensa experiência profissional com os maiores fundos soberanos do mundo, que será extremamente proveitosa para o início das actividades de investimento do FSDEA. "

 

A Deloitte tem prevista a revisão das contas do Fundo de 2013 durante o primeiro semestre de 2014. Segundo o regulamento do FSDEA, as contas auditadas têm de ser publicadas na imprensa local para divulgação pública. Adicionalmente, o Parlamento da República de Angola avaliará anualmente o desempenho do Fundo, com a primeira avaliação prevista para Setembro de 2014, e o Departamento do Tesouro receberá trimestralmente os relatórios das actividades do FSDEA.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: