Lisboa - O presidente Barack Obama convidou os dirigentes de 47 países africanos a participarem numa cúpula na Casa Branca que será realizada nos dias 5 e 6 de agosto em Washington, anunciou esta terça-feira, o executivo norte-americano .

Fonte: EFE/A24

"O presidente Obama espera dar as boas-vindas a líderes do continente africano na capital da nação para fortalecer os vínculos com uma das regiões mais dinâmicas e de crescimento mais rápido no mundo", indicou o comunicado.

A concretização desta cúpula, e quando Washington manifesta crescentes preocupações pela importante presença da China no continente, tinha já sido abordada durante a deslocação de Obama a África em junho, num discurso na Cidade do Cabo.

"Este ano marca o 50º aniversário da Organização da Unidade Africana, agora a União Africana", lembrou Obama nessa ocasião. "Os EUA desejam continuar sua vinculação não só sobre assuntos de segurança, mas também sobre o ambiente, a economia e a educação", acrescentou.

Para isso, Obama disse que convidaria os chefes de Estado de toda África Subsaariana para "iniciar um novo capítulo nas relações entre Estados Unidos e África".

A União Africana é integrada por 54 países. A troca comercial dos EUA com toda África em 2013 teve um valor de US$ 99,6 bilhões, comparado com um valor total de US$ 4,5 trilhões em todo o comércio exterior americano.

Com uma troca anual de US$ 24 bilhões, principalmente em comércio petroleiro, a Nigéria é o maior parceiro comercial americano na África e mesmo assim está no posto 31 entre os maiores mercados para os EUA.

Segundo o comunicado emitido pela Casa Branca, esta reunião em agosto continuará trabalhando sobre "o progresso feito desde a viagem do presidente à África, e avançará as propostas de seu governo para o comércio e o investimento na África".

A intenção de Obama, acrescentou o comunicado, é "destacar o compromisso dos Estados Unidos com a segurança da África, seu desenvolvimento democrático e seus povos".

Obama vai enviar convites a todos os países africanos que mantenham boas relações com os Estados Unidos ou não tenham sido suspensos da União Africana, o que exclui o Egito ou o Zimbábue.

Outros países não incluídos na lista, que se estende desde Angola à Zâmbia, serão o Sudão e Madagáscar. A presidente da comissão da União Africana, Nkosazana Dlamini-Zuma, também estará presente no evento.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: