Lisboa - O navio-tanque Kerala, com pavilhão da Libéria, está há quatro dias sem fazer ou receber contactos via rádio e empresas ligadas à navegação marítima acreditam que a embarcação pode ter sido sequestrada ao largo de Angola.

Fonte: Lusa
O último porto em que foi registado o movimento do Kerala, construído em 2008, foi o de Luanda, segundo o sítio da Internet Marine Traffic, que apresenta em tempo real a localização de todo o tipo de embarcações.

A última comunicação a partir do Kerala foi feita pouco depois da 01:30 do passado dia 18, ao largo de Luanda, refere na sua página na Internet a empresa proprietária da embarcação, a DynaCom Tankers.

"As comunicações com o M/T Kerala foi dada como perdida desde 18/01/14. Suspeita-se que os piratas tomaram o controle da embarcação, mas mesmo esta informação ainda não está confirmada. Desde então, adoptámos medidas imediatas e estamos a trabalhar em conjunto com as autoridades/agências para estabelecer a comunicação com o navio. A Dynacom está comprometida com a segurança da tripulação, do ambiente e da embarcação", lê-se no comunicado publicado na sua página na Internet.

A DynaCom Tankers não revelou o número de tripulantes a bordo, nem as respectivas nacionalidades.

Segundo a Dryad Maritime, uma agência de inteligência marítima, baseada no Reino Unido, é possível que o Kerala tenha sido sequestrado por piratas.

A confirmar-se essa possibilidade, a Dryad Maritime considera que o desaparecimento do navio-tanque pode representar um "aumento significativo (em termos de área) da pirataria marítima a partir do Golfo da Guiné, envolvendo provavelmente grupos criminosos nigerianos".

Noutro sítio da Internet ligado à navegação marítima, o MarineLink.Com, salienta-se que a perda de comunicações com o Kerala se verificou após uma série de alertas lançados pela Dryad Maritime aos seus clientes sobre a presença de uma embarcação suspeita a navegar ao largo da costa de Angola.

 

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: