Lisboa - A capital angolana, Luanda, tornou-se um ponto de "trânsito intercontinental" do comércio ilegal de marfim e pode estar a contribuir para a iminente extinção da população de elefantes da vizinha República Democrática do Congo, indica a National Geographic.

Fonte: Lusa
Um artigo intitulado "Relatórios sobre o comércio de marfim em Angola - será que a entrada da nação na CITES vai fazer a diferença?", escrito por duas investigadoras da área de Conservação de Primatas em África e no sudeste asiático refere que "presentemente Luanda representa um ponto-chave do trânsito intercontinental para grande escala de comércio ilegal de marfim".

As pesquisadoras escalaram o mercado de Benfica, famoso pela comercialização de peças feitas à base de madeira africana e muitas outras materiais caros, como o pau-preto e o marfim.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: