Alemanha - Depois da queda de Blaise Compaoré, receia-se um efeito de contágio em países africanos com presidentes quase vitalícios e regimes autocráticos, como Angola. Para manifestantes angolanos, o caso é uma lição a ser tomada.

Fonte: DW

Da lista de presidentes que estão há mais tempo no poder em África, e no mundo, pelo menos um já foi pressionado a sair: Blaise Compaoré, que há 27 anos conduzia os destinos do Burkina Faso.


Restam agora os Presidentes José Eduardo dos Santos, de Angola, Teodoro Obiang, da Guiné Equatorial, Robert Mugabe, do Zimbabué e Paul Biya, dos Camarões, todos eles há mais de 30 anos na liderança.

A queda de Blaise Compaoré é vista com uma atenção especial pelos países onde a população contesta também longas permanências no poder.

Insurreição popular em Angola?

Em Angola, os jovens do chamado Movimento Revolucionário, que exigem já há alguns anos a saída de José Eduardo dos Santos, acreditam na possibilidade de acontecer uma insurreição popular como a que aconteceu no Burkina Faso, uma vez que “o povo está saturado”, lembra Adolfo Campos.

“O povo angolano está cansado da política de José Eduardo dos Santos”, sublinha o jovem ativista angolano, lembrando que o chefe de Estado angolano se encontra “há mais de 35 anos no poder”.
Segundo Adolfo campos, o Movimento Revolucionário está já a analisar a possibilidade de organizar “uma manifestação que possa impugnar o poder de José Eduardo dos Santos”.

O ativista está certo de que o Presidente angolano receia uma ação para o depor e, por isso, na sua opinião, implementou uma situação de terror no país ao criar uma guarda pessoal militar muito bem preparada, a Unidade de Guarda Presidencial (UGP).

Apesar disso, Adolfo Campos considera que os descontentes não receiam esta força e a queda do Presidente burquinabê é certamente “uma lição muito grande” para o Movimento Revolucionário. “Afinal de contas aqui também existe a possibilidade de tirar um ditador [do poder], uma vez que as Forças Armadas angolanas se encontram vulneráveis”, afirma o ativista.

Consequências para o continente

Que consequências poderá ter a queda de Blaise Compaoré para o continente africano? A possibilidade de um efeito de contágio, à semelhança do que aconteceu com a chamada “Primavera Árabe”, seria um exagero ou algo bem mais perto da realidade? “Poderá ser as duas coisas”, explica Eugénio Costa Almeida.


O investigador do Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) lembra que se falava que as chamadas primaveras árabes podiam refletir-se no resto do continente africano, em situações onde a autocracia existe. No entanto, esse reflexo não chegou a observar-se noutros países africanos. Por isso, falar num efeito de contágio seria “um exagero” para o analista.

“Todavia, considerando que existem alguns casos de poderes quase absolutos, nalguns casos autoritários na região, penso que o que aconteceu no Burkina Faso pode ter alguma infl uência e algum espelho noutros países”, argumenta.

No que se refere à situação angolana, Eugénio Costa Almeida não acredita muito que os jovens que se opõem ao regime consigam o mesmo que os burquinabes. José Eduardo dos Santos foi eleito democraticamente e tem direito a candidatar-se ainda a um segundo mandato, lembra o analista. Por outro lado, acrescenta, o ex-Presidente Campaoré já alterou algumas vezes a Constituição para se manter no poder.

Ainda assim, o analista luso-angolano está certo de que o caso do Burkina Faso vai ajudar a alicerçar mais os objetivos do Movimento Revolucionário. “Acredito que haverá jovens, nomeadamente do chamado Movimento Revolucionário, que vão aproveitar o que aconteceu no Burkina Faso para alicerçar as suas manifestações e os seus poderes reivindicativos”.

Analistas dizem que o que aconteceu no Burquina Faso pode repetir-se em Angola

Os últimos acontecimentos que se registaram no Burquina Faso e que culminaram com a deposição do presidente Blaise Kampaore depois de 27 anos no poder podem ter lugar em Angola, caso o MPLA não alterar a sua forma de agir, defendem os analistas políticos da rádio Despertar. Os analistas consideram que a realidade dos factos no Burquina Faso não se diferem muito da angolana.


O analista da Despertar e secretário para Informação do PRS Joaquim Nafoia pediu ao Presidente da República a ficar atento ao que se passa no Burquina Faso: "O nosso presidente deve tirar algumas lições porque todos os ditadores terminam desta forma, como aconteceu a Hosni Mubarak, Mobutu, Ben Aly, Khadafi, se o MPLA não se prevenir isso pode acontecer em Angola", disse.

O dirigente do PRS sustenta a sua afirmação nos seguintes argumentos. "Nós estamos numa ditadura efectiva, os activistas cívicos são assassinados, não se permitem manifestações, os jovens são torturados e presos, os debates parlamentares não são transmitidos, enfim, o presidente já fez o que o outro tentou fazer no Burquina Faso, alterou a Constituição com o acórdão de 2005 do Tribunal Supremo que dizia que José Eduardo dos Santos ainda não tinha cumprido nenhum mandato no poder quer dizer que o seu mandato só começou em 2005"

No mesmo debate, esses argumentos foram reiterados pelo politólogo Antonio Saúde Cabina, para quem “também em Angola temos problemas de longevidade do Presidente da República com manobras constitucionais para se manter no poder, também o nosso presidente esta está rebocado nas legislativas talvez temendo que em eleições separadas perderia; no Burquina Faso o outro tentou fazer a mesma coisa só que o povo lá não deixou".

Para o jornalista e analista Alexandre Solombe, é preferível que ocorra o mesmo em Angola para acabar com as humilhações sofridas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: