Luanda - A Polícia de Intervenção Rápida entrou em confronto com um grupo de manifestantes afectos à Igreja Católica das Américas que protestava defronte à sede do Governo da província contra o encerramento da igreja liderada pelo padre Casimiro Congo.

*José Manuel
Fonte: VOA

ImageTestemunhas disseram à VOA que os crentes gritavam em tom de protesto acusando o Governo de perseguição religiosa e de ignorar a liberdade de religião garantida pela Constituição da Republica.

Em declarações à VOA, o padre Casimiro Congo acusa a Polícia Nacional de ter “violentado” mulheres e preso catequistas indefesos.

O padre Congo responsabilizou o comandante da polícia local pelos incidentes e defendeu a legalidade da sua igreja até porque, segundo disse, a Constituição da República de Angola salvaguarda a liberdade religiosa e de culto.

O Padre Congo disse que não pode cumprir o requisito legal de conseguir 100 mil aderentes se a igreja for fechada.

O sacerdote afirma não compreender a razão da perseguição de cristãos em Cabinda, mas garante que não vai fugir da província.

Recorda-se que dezenas de igrejas, incluindo a Igreja Católica das Américas receberam notificações da polícia nacional com a orientação de fecharem os templos por não estarem confrme a lei vigente em Angola sobre a liberdade de culto e de religião, entretanto, muitas delas já exercem o ministério sem qualquer problema.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: