Fonte familiar confirmou a tragédia ao Club-k.net revelando que a jovem foi raptada nas imediações da FILDA, quando se dirigia para o centro universitário ISPRA onde estudava. A mesma fonte precisou que a falecida “foi encontrada perto da Brigada de trânsito do Bairro popular já assassinada" presumivelmente pelos marginais até agora desconhecidos.
 
A malograda que em vida trabalhava nas alfândegas é igualmente sobrinha do Bispo de Cabinda Dom Filomeno Viera Dias. "É uma grande dor para a família", lamentou a fonte.

A criminalidade em Luanda atingiu dimensões alarmantes e inclusive as figuras associadas ou com poderes no estado não têm sido poupadas. A cerca de três anos atrás a empresaria Tchizé dos Santos, filha do Presidente da Republica José Eduardo dos Santos  foi interceptada por marginais na ilha de Luanda sem que a tivessem feito maldade alguma. Ainda na família presidencial, duas sobrinhas do "Camarada Presidente" foram assaltadas início do ano passado nas mediações do Cine tropical quando se dirigiam para testemunharem casamento de um membro do clã. José  Eduardo dos Santos estava presente no acto. A viatura foi encontrada algures vinte minutos apôs ao frustrado assalto.

Ainda durante o ano passado, Dirce dos Santos, filha do Primeiro-ministro Dias dos Santos. Dirce saiu ilesa e os bandidos nao tiveram sucessos. Na altura a jovem empresária Dirce encontrava-se no porto de Luanda para o levantamento de mercadorias.

Na mesma época a jovem (ainda não empresaria?) Indira dos Santos, filha do Secretario do MPLA para informação Kwata Kwana  denunciou que marginais lhe haviam roubado cerca de cinco mil dólares americanos que levava para festejar na discoteca. Na altura estava acompanhada da filha do Deputado Marcolino.

POPULAÇÃO ADMITE MANIFESTAR SE CONTRA O CRIME
 
Face aos incontroláveis níveis de criminalidade que ocorrem na cidade de Luanda, um grupo de jovens universitários da sociedade civil prevê propor a direcção do partido Frente para Democracia (FpD) a organização de uma manifestação popular para protestar contra a impotência da polícia nacional.

DIÁSPORA APONTA SUGESTÕES
 
De regresso aos Estados Unidos (vindo de Angola), o colunista Peculato Garcia apresentou algumas considerações em um artigo de opinião publicado no Club-k.net que pela sua importância faz-se um respaldo.
 
O articulista conclui que "as razões principais que originam a propagação exaustiva do fenómeno assaltos em Luanda:" tem haver com a "Falta de trabalho e um guia positivo aos futuros da nação" por considerar que todo ser humano "necessita alimentos, casa e educação para criar as ferramentas primárias para uma vida aceitável".

ImageO mesmo argumenta que o assunto “criminalidade em Luanda” carece de fórum político-económico, e acredita que "só teremos a nobreza de circular pela cidade sem medo, quando os patronos do MPLA reconhecerem que esta crise terá que ser colmatada inicialmente no parlamento."
 
Sem papas na língua P.Garcia aponta dedos escrevendo que: "JES como pai da nação tem a plena responsabilidade e deveres de proporcionar uma vida decente, humana e acima de tudo que justifique com os ganhos dos nossos recursos." Na sua óptica,  "Não é aceitável ver crianças de cinco à dez anos a pulularem pela cidade sem uma definição de vida. Estes adolescentes, crescem sem rumo. Crescem sem uma definição concreta entre o mal e o bem. Crescem sem amor. Crescem sem princípios básicos de convivência social".

Garcia acredita que "Como meio de sobrevivência, estas crianças abandonadas pelo sistema político e enteados das economias do país transformam-se em criminosos não por vontade própria, mais sim pela falta de outros meios ensinados durante a eterna idade decrescimento."
 
Diz ainda que "Mata-los ou mantê-los em prisões por largos anos não é a solução mais risonha, lógica e acima de tudo científica. Estaríamos a causar voluntariamente outros problemas de grande impacto social."
 
O articulista especificou dizendo que com o uso da força, "o governo teria que disponibilizar milhões e milhões de dólares para tentar erradamente resolver a situação. Estes milhões gastos para a reestruturação, aumento dos salários da polícia, gastos burocráticos, construção de prisões, publicidade (…) deveriam ser usados de uma forma mais eficiente e credível."
 
Em forma de propostas PGarcia aconselha "Aplicação de programas de reintegração social destes jovens. Programas de educação como premissa primária e outras ferramentas associadas a políticas de integração social são as soluções deste mal luandense que todos os cientistas contemporâneos em políticas sócias defendem como a -única- via mais garantida".

"O mais triste de tudo isso, é que os nossos políticos sabem exactamente do que eu falo. Infelizmente ninguém tem a "topetada" de executar e chamar atenção ao chefe de estado e perdem tempo em culpar os pais dos meninos de rua", lamentou ao fechar a sua conclusão.

Sugestões semelhantes ou propostas de como combater a criminalidade em Luanda podem ser enviadas para a morada electrónica Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: