Luanda – Finalmente, depois de uma chuva de inverdades  noticiadas (a fim de justificar a morte de centenas de cidadãos angolanos) aos quatro ventos pelo Executivo de José Eduardo dos Santos, a verdade começa subir, aos poucos, à tona como o azeite.

 

Fonte: Club-k.net

Kalupeteka foi isolado e tem não acesso aos meios de comunicação


Afinal, poucas horas depois do incidente ocorrido no Monte Sumi, no município da Caála, província do Huambo, no qual resultou inicialmente na morte de nove efectivos da polícia nacional e 13 crente da igreja “A Luz do Mundo”, José Julino Kalupeteka entregou-se voluntariamente – juntos com outros membros da sua caravana – aos elementos das Forças Armadas Angolanas (FAA), e que posteriormente o apresentaram à polícia nacional. Ele não foi capturado pelas autoridades como havia anunciado altos responsáveis da polícia nacional nos órgãos de comunicação social estatais.

 

A revelação foi feita pelo próprio Kalupeteka aos causídicos da Associação Mãos Livres durante o primeiro que mantiveram após a sua detenção a 16 de Abril do corrente ano, algures da província do Huambo.

 

“Na cadeia foi permitido o encontro com Kalupeteka por mais de 2 horas e 30 minutos sem a presença de nenhum agente prisional ou qualquer autoridade, permitindo assim uma conversa privado entre os advogados e o preso”, pode-se ler num dos parágrafos da nota de imprensa enviada ao Club K e que publicamos na íntegra.

 

Os causídicos da Associação Mãos Livres manifestaram-se preocupados pelo “facto de Kalupeteka se encontrar numa área de alta segurança sozinho sem contacto com os demais presos o que torna alarmante a falta de comunicabilidade” e “se constatou que Kalupeteka não tem acesso a rádio, televisão, jornais não sabendo sequer, os factos sobre a sua organização e membros. Não sabendo ao menos com a excepção do seu filho, quantos seguidores seus estão presos”.

Agora segue na integra a nota de imprensa da Associação Mãos Livres enviada ao Club K:

 

NOTA DE IMPRENSA

Na sequência dos acontecimentos ocorridos no Huambo, o denominado “caso Kalupeteca”, a Associação Mãos Livres vem através da presente informar que dos contactos que tem vindo a manter com a Procuradoria-Geral da República junto da Direcção Provincial de Investigação Criminal no Huambo, a equipa de advogados liderada pelo Dr. David Mendes, constituída para a defesa justa do cidadão em causa, foi acolhida pela PGR-Huambo no dia 3 de Junho de 2015.

 

Deste encontro mantido com o Magistrado do Ministério Público Dr. Sumbo se constatou o seguinte:

1 - Foi prorrogado o prazo de prisão preventiva de conforme o 25 artigo da Lei 18-A/92 – Lei de Prisão Preventiva em Instrução Preparatória.

2 - Que apenas 2 pessoas actualmente têm mandado de captura.

3 - A PGR-Huambo proibiu toda e qualquer perseguição e prisão á membros da Igreja a Luz do Mundo do 7º Dia. Logo, quem perseguir e prender sem mandado de captura será responsabilizado por prisão ilegal.

4 - Foi garantido que o cidadão Kalupeteka seria ouvido em novo interrogatório na presença dos seus advogados.

5 - Na cadeia foi permitido o encontro com Kalupeteka por mais de 2 horas e 30 minutos sem a presença de nenhum agente prisional ou qualquer autoridade, permitindo assim uma conversa privado entre os advogados e o preso.

6 - Nos preocupa o facto de Kalupeteka se encontrar numa área de alta segurança sozinho sem contacto com os demais presos o que torna alarmante a falta de comunicabilidade.

7 - Se constatou que Kalupeteka não tem acesso a rádio, televisão, jornais não sabendo sequer, os factos sobre a sua organização e membros. Não sabendo ao menos com a excepção do seu filho, quantos seguidores seus estão presos.

8 - Foi possível também constatar que a quando da sua apresentação voluntária as autoridades foi recebido por elementos das Forças Armadas Angolanas que o trataram com dignidade, mas quando apresentado à polícia, esta o torturou mantendo-se até hoje os indícios da tortura por ele sofrido.

9 - Na circunstância o Sr. Kalupeteka recebe tratamento médico e medicamentoso da equipa médica da Cadeia e tem recebido alimentação condigna.

10 - Associação Mãos Livres se compromete a passar novas informações nos próximos tempos.

 

 

Luanda, aos 5 de Junho de 2015

O Presidente
Dr. Salvador Freire dos Santos



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: