Lisboa - O antigo delegado de Luanda, do Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE), António Gamboa Vieira Lopes foi agredido nesta quinta-feira (26), na cadeia de Viana, pelo recluso Francisco Pimentel Tenda Miguel “Kiko”, o ex- agente DPIC autor confesso dos disparos que em Maio de 2012 tirou a vida do activista Alves Kamulingue.

Fonte: Club-k.net

Serviços Prisionais abafam episódio  de agressão

O acto de agressão, ocorrido por razões ainda por se apurar, aconteceu precisamente numa residência (com celas internas) na cadeia de Viana, onde foram colocados os presos do processo Cassule/Kamulingue, os dois conhecidos activistas assassinados a mando de “ordens superiores” do regime angolano.

 

Por outro lado, algumas fontes próximas aos serviços prisionais alegam  que o presidiário “Kiko” irrompeu, sem aparente motivo, a cela de António Vieira Lopes, e agrediu-o violentamente.

 

Francisco Pimentel Miguel “Kiko”, terá também, neste dia, proferido ameaças de morte contra o ex-responsável do SINSE frisando beneficiar de proteção. “Kiko”, apresentado como sobrinho da Ministra Fátima Jardim tem a reputação de ter sido um dos mais “brilhantes tirador de vida humana”, da nova geração da Polícia Nacional.

 

Os Serviços Penitenciários angolanos liderados por Antônio Fortunato ainda não reagiram sobre estas praticas de agressão e ameaças de morte no estabelecimento prisional de Viana. A direção da Cadeia de Viana terá se mostrado indisponível em aprofundar de imediato a situação e tomar as medidas que se impõem.

 

Em meios competentes alega-se que os Serviços Penitenciários terão optado por abafar o assunto como forma de evitar exposição das fragilidades da cadeia de Viana, onde reclusos condenados por praticas de assassinatos dão sinais de não estarem a ser objeto de reeducação. Em condições normais, teriam aberto um inquérito que resultaria num relatório dos acontecimentos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: