ImageLisboa - Nino’ Vieira e Tagmé na Waié lideravam uma lista de dez personalidades da política guineense com a cabeça a prémio, segundo um panfleto alegadamente distribuído, ainda antes da noite dos atentados, pelo cartel colombiano que abastece o mercado de consumo drogas na Guiné-Bissau desde 2005.

No documento, que não está assinado, constam ainda os nomes de Helder Proença (ex-ministro da Defesa), Bubo na Tchuto (ex-chefe de Estado-Maior da Armada), Papa Camará (capitão do Exército), Adolfo Ebouamé (empresário camaronês), Vítor Mandinga (ex-ministro das Finanças), Dionísio Cabi (ex-ministro das Obras Públicas) e Aristides Gomes (ex-primeiro-ministro), estando bem expressa a advertência de que "a mercadoria vale mais do que a vida de qualquer pessoa.

O CM sabe que o panfleto já chegou às mãos de dirigentes partidários e do Governo guineense, embora até ao momento não tenha havido reacção oficial. "Viemos desde a América Latina, não por nossa vontade, mas porque fomos convidados, com todas as garantias", pode ler-se no panfleto, que acrescenta: "Desde que chegámos a Bissau em 2005, realizámos muitas operações em mercadorias equivalentes a 280 milhões de dólares e todos os dias nos era prometido pagarem-nos amanhã, amanhã e amanhã..."

Face ao incumprimento, os alegados autores colombianos do panfleto vão mais longe: "Estes senhores não são sérios, devem-nos 48 milhões de euros. Só nós sabemos os sacrifícios por que passámos da América do Sul até à Guiné-Bissau. Sai-nos caríssimo. Já não operamos em Bissau, mas estes senhores têm de pagar o nosso sacrifício. A nossa mercadoria vale mais de que a vida de qualquer pessoa sem responsabilidade e não interessa se são generais, ministros ou outras personalidades. Queremos de volta a nossa mercadoria ou moeda equivalente."

Segundo apurou o CM, as autoridades guineenses pretendem investigar primeiro a autenticidade do documento.

Tema Relacionado

Fonte: CM



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: