emilioWindhoek - A história de Angola sobre a sua governação tem sido muito ingrata pelo que para a prova real, Deus nos reservou a sorte de termos a consciência de saber armazenar todos acontecimentos destes homens maligno que usurparam o poder por força de tanta maldade ao seu povo. Por imperativo de consciência, que se transforma numa verdadeira missão em defesa dos direitos humanos, para a vanguarda de liberdade, dignidade, democracia, solidariedade e justiça social, gostaria de pôr em tinta factos que transformarão numa verdadeira escola para todos regimes corruptos. Depois do calar das armas em Angola que terminou com assinatura do Memorandum de Entedimento do Luena a 7 anos atras todo angolano, esperava de Angola um verdadeiro estado democrático e de direito, mas provas contrarias o pais vive perigosamente o seu presente e o futuro ameaçado.

O tempo clama por um baixar de maré. Pode parecer aparentemente estar tudo esquecido e perdoado, pode ainda ser ficção, pode ser considerado como falsidade, encubada pela força do poder de uns sobre os outros, mas acreditemos que Angola possui um grave dossier pendente sobre a corrupção e violações de direitos humanos, assossiado ao trafico de influências.

Nada mais me resta como defensor de direitos humanos, senão propor a todo o angolano que comece a pensar sobre a melhor forma de se apresentar uma queixa Crime ao Tribunal Internacional da Haia, contra o presidente angolano José Eduardo dos Santos e a sua turma corrupta, autores morais e materiais de tantas atrocidades. Só assim se acreditará que em Angola se faz respeitar as convenções internacionais de que o proprio governo é parte integrante, tudo dentro do pensamento proprio de um povo civilizado e democratico. Recorde-se que a miseria, doênças, pobreza, analfabetismo, ignorância, atraso mental, meninos da rua, são tudo saldo dos “feitos” de um regime corrupto. 

Passados 30 anos de reinado no sistema ditatorial e corrupto, o Presidente da Republica José Eduardo dos Santos, por acto de abuso de autoridade e do poder, feriu toda a ética e  todos valores da Pátria mãe angola quando, vendeu em praça pública a nacionalidade angolana, ao um cidadão estrangeiro envolvido no escândalo da “Angolagate” Pierre Falcone, sendo por fim conferiu-lhe o cargo de Ministro Conselheiro junto da missão de Angola numa organização das Naçõers Unidas para a Ciencia, Cultura e Eduacação UNESCO. 

Jose Eduardo dos Santos nunca soube honrar e promover uma cultura politica de abertura que viabilize a luta contra a corrupção e contra a irresponsabilidade na governação para melhorar assim a credibilidade internacional do pais e a sua capacidade de atrair investimentos estrangeiros.

Acredito de facto, que um Presidente com mãos sujas nunca negociaria o principio do bem comum. José Edurado, legitimou e sempre perfer assossiar-se a uma esquadrilha mafiosa, tal o caso de Joaquim David, José Leitão da Costa, e Silva e Figueiredo, os chamados na “:Angolagate” e citados, beneficiários de varios milhões de dolares de comissões ilícitas no negocio de venda de armas para Angola e no pagamento da divida para com a Russia e para alem das comissões saidas das Multinacionais que operam em varios cantos na area da exploração de petroleo. 


José Eduardo dos Santos, nunca prestou melhor desempenho na gestão do dinheiro público sob olhar atento da sociedade civil, “Ze Du”, nunca permitiu nas suas fileiras que alguem investigue sobre os desvios, de milhares de dolares que dia e noite desaparecem nos cófres do estado. Todavia, segundo analistas na área dos petróleos, reconhecem que a produção do crude Angolano poderá superar 2.1 milhões de b/por dia até o ano 2010 e lá, para 2020 quase triplicando para 3.3 milhões de b/por dia. Por causa destas projeções qualquer um de nós, tem consciência de que a corrupção gonhou proeminencia em Angola.  


Segundo uma simbiose económica, o Fundo Monetario Internacional vem divulgando que cerca de 4 bilhões de dolares desapareceu da caixa do Governo em 2003, cujo montante representa o triplo dos recursos enviados ao pais em ajuda humanitaria    


Que seja feita a justiça dos “feitos” de Eduardos dos Santos, guiados pelo ódio,  corrupção, pobreza e  assassinatos. 
 


For: Emilio Mango

Activista de direitos humanos


Aos 25 de Marco 2009 Windhoek /Namibia
Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: